Mercado abrirá em 9 h 42 min
  • BOVESPA

    109.786,30
    +2.407,38 (+2,24%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    42.736,48
    +469,28 (+1,11%)
     
  • PETROLEO CRU

    45,55
    +0,64 (+1,43%)
     
  • OURO

    1.807,40
    +2,80 (+0,16%)
     
  • BTC-USD

    19.030,50
    -37,99 (-0,20%)
     
  • CMC Crypto 200

    378,63
    +8,88 (+2,40%)
     
  • S&P500

    3.635,41
    +57,82 (+1,62%)
     
  • DOW JONES

    30.046,24
    +454,97 (+1,54%)
     
  • FTSE

    6.432,17
    +98,33 (+1,55%)
     
  • HANG SENG

    26.904,66
    +316,46 (+1,19%)
     
  • NIKKEI

    26.628,15
    +462,56 (+1,77%)
     
  • NASDAQ

    12.159,00
    +83,00 (+0,69%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,4016
    +0,0047 (+0,07%)
     

Preços do petróleo ampliam ganhos em meio a eleição nos Estados Unidos

Por Ahmad Ghaddar
·1 minuto de leitura

Por Ahmad Ghaddar

LONDRES (Reuters) - Os preços do petróleo ampliavam seu rali nesta terça-feira, em meio ao dia de eleições nos Estados Unidos, acompanhando uma recuperação em mercados financeiros, mas preocupações com os crescentes casos de coronavírus pelo mundo limitavam os ganhos.

O petróleo Brent subia 0,97 dólar, ou 2,49%, a 39,94 dólares por barril, às 8:17 (horário de Brasília). O petróleo dos Estados Unidos avançava 0,95 dólar, ou 2,58%, a 37,76 dólares por barril.

Ambos os contratos de referência haviam avançado quase 3% na segunda-feira.

"O salto nasceu com as marcas de uma massiva, lógica e até inevitável cobertura de posições vendidas antes das eleições presidenciais dos EUA", disse Tamas Varga, da corretora PVM.

"Seria tentador concluir que uma recuperação das perdas da semana passada está acontecendo agora, mas esse simplesmente não é um cenário plausível", acrescentou ele.

Os preços avançaram na segunda-feira após informação de que o ministro de Energia da Rússia manteve conversas com empresas locais sobre uma possível prorrogação de restrições à produção de petróleo no primeiro trimestre de 2021.

"A esperança agora é que uma continuidade dos cortes nos níveis atuais vá ser uma ponte necessária sobre a segunda onda de Covid-19 até quando as vacinas forem desenvolvidas", disse o Commerzbank.