Mercado fechado
  • BOVESPA

    115.202,23
    +2.512,05 (+2,23%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    46.342,54
    +338,35 (+0,74%)
     
  • PETROLEO CRU

    66,28
    +2,45 (+3,84%)
     
  • OURO

    1.698,20
    -2,50 (-0,15%)
     
  • BTC-USD

    48.253,82
    +1.204,50 (+2,56%)
     
  • CMC Crypto 200

    982,93
    +39,75 (+4,21%)
     
  • S&P500

    3.841,94
    +73,47 (+1,95%)
     
  • DOW JONES

    31.496,30
    +572,16 (+1,85%)
     
  • FTSE

    6.630,52
    -20,36 (-0,31%)
     
  • HANG SENG

    29.098,29
    -138,50 (-0,47%)
     
  • NIKKEI

    28.864,32
    -65,78 (-0,23%)
     
  • NASDAQ

    12.652,50
    +197,50 (+1,59%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,7797
    -0,0062 (-0,09%)
     

Preços na zona do euro sobem mais que o esperado em janeiro

·1 minuto de leitura
Shopping center em Berlim

BRUXELAS/FRANKFURT (Reuters) - O índice de preços na zona do euro subiu mais do que o esperado no mês passado em meio ao aumento dos custos da energia e de um imposto alemão, apresentando um potencial desafio de comunicação para o Banco Central Europeu.

A inflação ficou abaixo da meta do BCE de quase 2% durante a maior parte da última década. O banco prometeu política monetária ultrafrouxa por anos à frente, com as pressões de preços fracas e a recuperação da recessão por conta da pandemia se arrastando.

Mas um aumento dos preços, mesmo que temporário como muitas autoridades esperam, pode dificultar uma justificativa para o estímulo excepcional.

O índice anual de preços nos 19 países que usam o euro saltou 0,9% em janeiro de uma queda de 0,3% nos quatro meses anteriores, informou a Eurostat nesta quarta-feira, taxa mais elevada em quase um ano e acima da expectativa de economistas de 0,5%.

O avanço se deveu principalmente à revogação de um corte de imposto anterior na Alemanha, a uma alta nos custos de energia devido aos preços do petróleo e a preços de alimentos mais altos.

A inflação excluindo custos de alimentos e energia, indicador observado pelo BCE, avançou a 1,4% de 0,4%.

(Reportagem de Jan Strupczewski e Balazs Koranyi)