Mercado fechado
  • BOVESPA

    112.316,16
    -1.861,39 (-1,63%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    54.774,91
    -389,10 (-0,71%)
     
  • PETROLEO CRU

    79,38
    -1,63 (-2,01%)
     
  • OURO

    1.927,60
    -2,40 (-0,12%)
     
  • BTC-USD

    23.041,16
    -159,29 (-0,69%)
     
  • CMC Crypto 200

    526,66
    +9,65 (+1,87%)
     
  • S&P500

    4.070,56
    +10,13 (+0,25%)
     
  • DOW JONES

    33.978,08
    +28,67 (+0,08%)
     
  • FTSE

    7.765,15
    +4,04 (+0,05%)
     
  • HANG SENG

    22.688,90
    +122,12 (+0,54%)
     
  • NIKKEI

    27.382,56
    +19,81 (+0,07%)
     
  • NASDAQ

    12.221,00
    +114,25 (+0,94%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,5462
    +0,0265 (+0,48%)
     

Preços de minério de ferro e ferrosos caem com nervosismo sobre Covid na China

Trabalhador em siderúrgica em Changzhi

Por Enrico Dela Cruz

(Reuters) - Os contratos futuros de minério de ferro nas bolsas de Dalian e Cingapura caíram nesta terça-feira, assim como os benchmarks de aço da China, já que os casos de Covid-19 no país pesaram no sentimento no primeiro dia de negociações de 2023.

A atividade fabril da China, maior produtora mundial de aço, encolheu a um ritmo mais acentuado em dezembro, com o aumento das infecções por Covid interrompendo a produção e reduzindo a demanda depois que Pequim removeu amplamente as restrições contra o vírus, mostrou uma pesquisa do setor privado.

O contrato de minério de ferro para maio mais negociado na Dalian Commodity Exchange da China encerrou as negociações diurnas com queda de 0,4%, a 851,50 iuanes (123,62 dólares) a tonelada. Na semana passada, o contrato atingiu uma máxima de mais de seis meses, a 867,50 iuanes.

Na Bolsa de Cingapura, o contrato de fevereiro de referência do ingrediente siderúrgico caiu 0,1%, para 116,05 dólares a tonelada.

Algumas pessoas em Pequim, Xangai e Wuhan enfrentaram o frio e um aumento nas infecções por Covid para retornar à atividade regular na segunda-feira, mas analistas esperam pressões contínuas para a segunda maior economia do mundo.

“As taxas chinesas de Covid terão um impacto substancial na capacidade produtiva das fábricas, no transporte para entregas, construtores para construir e empresas financeiras para financiar”, disse John Meyer, analista da SP Angel.

Refletindo uma demanda persistentemente fraca em meio ao aumento dos casos de Covid, apesar de uma série de medidas de apoio ao setor imobiliário em dificuldades, os preços das casas na China caíram em um ritmo mais rápido em dezembro, de acordo com uma pesquisa privada.

O vergalhão na Bolsa de Futuros de Xangai perdeu 0,6%, a bobina laminada a quente caiu 0,9%, enquanto o aço inoxidável subiu 0,6%.

(Por Enrico Dela Cruz em Manila)