Mercado fechado
  • BOVESPA

    118.328,99
    -1.317,01 (-1,10%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    44.810,21
    -315,49 (-0,70%)
     
  • PETROLEO CRU

    53,01
    -0,12 (-0,23%)
     
  • OURO

    1.868,80
    +2,90 (+0,16%)
     
  • BTC-USD

    29.574,13
    -1.107,54 (-3,61%)
     
  • CMC Crypto 200

    579,64
    -100,26 (-14,75%)
     
  • S&P500

    3.853,07
    +1,22 (+0,03%)
     
  • DOW JONES

    31.176,01
    -12,39 (-0,04%)
     
  • FTSE

    6.715,42
    -24,97 (-0,37%)
     
  • HANG SENG

    29.927,76
    -34,74 (-0,12%)
     
  • NIKKEI

    28.635,54
    -121,32 (-0,42%)
     
  • NASDAQ

    13.387,75
    -7,75 (-0,06%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,5126
    +0,0042 (+0,06%)
     

Preços globais de alimentos sobem pela 1ª vez em 5 meses, diz FAO

Logo da FAO-ONU em sua sede em Roma, Itália

ROMA (Reuters) - Os preços globais de alimentos subiram pela primeira vez em cinco meses em outubro, impulsionados por saltos nas cotações do açúcar e de cereais, disse a agência de alimentos da Organização das Nações Unidas (ONU) nesta quinta-feira.

O índice de preços de alimentos da Organização para Agricultura e Alimentação (FAO), que mede as variações mensais de uma cesta de cereais, oleaginosas, laticínios, carne e açúcar, teve média de 172,7 pontos em outubro, alta de 1,7% ante o mês anterior e de 6% na comparação anual.

A FAO também estimou que a produção mundial de cereais em 2019 será de 2,704 bilhões de toneladas, número levemente inferior ao de sua projeção anterior.

O índice de preços da FAO para o açúcar saltou 5,8% ante os níveis de setembro, muito em função das expectativas de menor oferta no ano, considerando as previsões de grandes recuos na produção de Índia e Tailândia.

Já o índice de preço dos cereais avançou 4,2%, com os valores de exportação de trigo e milho subindo devido às perspectivas de safras reduzidas em diversos importantes países produtores e à robusta atividade comercial". Em contraste, os preços do arroz caíram, afetados pela demanda fraca e pela expectativa de uma safra abundante da variedade basmati.

O índice de preços do óleo vegetal aumentou em 0,5%, atingindo seu maior nível em mais de um ano, enquanto o índice das carnes avançou 0,9%, guiado pela maior demanda por exportações, especialmente da China.

Por outro lado, o índice de preços de laticínios recuou 0,7% em outubro, uma vez que cotações mais baixas para o queijo compensaram aumentos nos valores do leite em pó desnatado e integral, disse a FAO.

(Reportagem de Crispian Balmer)