Mercado fechado
  • BOVESPA

    111.364,51
    -2.066,03 (-1,82%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    54.565,02
    +0,75 (+0,00%)
     
  • PETROLEO CRU

    76,67
    -2,20 (-2,79%)
     
  • OURO

    1.940,60
    -4,70 (-0,24%)
     
  • BTC-USD

    23.052,37
    -75,48 (-0,33%)
     
  • CMC Crypto 200

    521,92
    +279,24 (+115,06%)
     
  • S&P500

    4.056,02
    -20,58 (-0,50%)
     
  • DOW JONES

    33.721,57
    -364,47 (-1,07%)
     
  • FTSE

    7.761,11
    -10,59 (-0,14%)
     
  • HANG SENG

    22.072,18
    +229,85 (+1,05%)
     
  • NIKKEI

    27.346,88
    +19,77 (+0,07%)
     
  • NASDAQ

    12.166,25
    +14,25 (+0,12%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,5510
    +0,0354 (+0,64%)
     

Preços fecham estáveis, mas com queda semanal por preocupações com recessão

Extração de petróleo em Vaca Muerta, na Argentina

Por Scott DiSavino

NOVA YORK (Reuters) - Os preços do petróleo ficaram praticamente estáveis nesta sexta-feira, com o mercado equilibrando um dólar mais fraco e relatórios mistos de empregos nos Estados Unidos, mas ambos os índices de referência do petróleo encerraram o acumulado da primeira semana do ano em queda devido a preocupações com a recessão global.

Os futuros do Brent caíram 0,12 dólar, ou 0,2%, para 78,57 dólares o barril, enquanto o petróleo nos EUA (WTI) subiu 0,10 dólar, ou 0,1%, para 73,77 dólares.

Na semana, tanto o Brent quanto o WTI caíram mais de 8%, suas maiores quedas semanais no início do ano desde 2016. Ambos os benchmarks ganharam cerca de 13% nas três semanas anteriores.

"O mercado de petróleo pode estar recuperando alguma compostura após o banho de sangue no início desta semana, mas o potencial de alta permanece limitado, pelo menos no curto prazo. As perspectivas econômicas estão nubladas", disse Stephen Brennock, analista da PVM.

A atividade do setor de serviços dos EUA em novembro contraiu pela primeira vez em mais de dois anos e meio, de acordo com um relatório do Institute for Supply Management (ISM).

Mas outro relatório mostrou que a economia dos EUA criou empregos em um ritmo sólido em dezembro, levando a taxa de desemprego de volta a uma mínima pré-pandemia de 3,5%, enquanto o mercado de trabalho permanece apertado.

(Por Rowena Edwards em Londres, Emily Chow em Cingapura e Scott DiSavino em Nova York)