Mercado fechará em 2 h 43 min
  • BOVESPA

    110.598,20
    +1.754,46 (+1,61%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.726,14
    +168,49 (+0,33%)
     
  • PETROLEO CRU

    70,45
    +0,16 (+0,23%)
     
  • OURO

    1.777,20
    +13,40 (+0,76%)
     
  • BTC-USD

    42.345,50
    -1.446,58 (-3,30%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.053,52
    -10,32 (-0,97%)
     
  • S&P500

    4.368,18
    +10,45 (+0,24%)
     
  • DOW JONES

    34.069,91
    +99,44 (+0,29%)
     
  • FTSE

    6.980,98
    +77,07 (+1,12%)
     
  • HANG SENG

    24.221,54
    +122,40 (+0,51%)
     
  • NIKKEI

    29.839,71
    -660,34 (-2,17%)
     
  • NASDAQ

    15.056,50
    +47,00 (+0,31%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,2004
    -0,0443 (-0,71%)
     

Preços de diesel e gasolina nos postos do Brasil fecham semana perto da estabilidade

·1 minuto de leitura
Abastecimento de veículo no Rio de Janeiro (RJ)

SÃO PAULO (Reuters) - Os preços médios de diesel e gasolina nos postos de combustíveis do Brasil permaneceram praticamente estáveis nesta semana em relação ao fechamento da semana passada, enquanto o etanol apresentou leve alta, mostrou pesquisa publicada pela Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP) nesta sexta-feira.

Segundo o levantamento da agência reguladora, o diesel terminou a semana com valor médio de 4,597 reais por litro nas bombas. Na semana passada, o combustível mais consumido do Brasil havia registrado média de 4,594 reais/litro.

O preço médio da gasolina, por sua vez, chegou a 5,833 reais por litro, versus patamar de 5,831 reais visto na pesquisa divulgada na sexta-feira da semana passada.

Já o etanol, concorrente direto da gasolina nas bombas, avançou 0,5% no período, para média de 4,344 reais por litro, segundo o levantamento.

O alto preço dos combustíveis no Brasil é uma das pautas de caminhoneiros autônomos que estão convocando manifestações para este domingo. Os chamamentos, porém, têm sido pulverizados, uma vez que a categoria se mantém dividida no apoio ao governo do presidente Jair Bolsonaro.

Em fevereiro, uma ameaça de greve de caminhoneiros que acabou não se concretizando foi determinante para Bolsonaro alterar o comando da Petrobras, substituindo o então CEO Roberto Castello Branco por Joaquim Silva e Luna.

A gestão de Silva e Luna tem sido mais comedida na aplicação de reajustes nos preços de combustíveis nas refinarias, mas no início deste mês anunciou elevações de 3,7% para o diesel e de 6,3% para a gasolina.

(Por Gabriel Araujo)

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos