Mercado abrirá em 2 h 12 min
  • BOVESPA

    101.915,45
    -898,58 (-0,87%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    49.698,72
    -97,58 (-0,20%)
     
  • PETROLEO CRU

    68,99
    +2,81 (+4,25%)
     
  • OURO

    1.782,00
    +5,50 (+0,31%)
     
  • BTC-USD

    57.100,48
    +503,89 (+0,89%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.470,86
    +28,08 (+1,95%)
     
  • S&P500

    4.567,00
    -88,27 (-1,90%)
     
  • DOW JONES

    34.483,72
    -652,22 (-1,86%)
     
  • FTSE

    7.149,58
    +90,13 (+1,28%)
     
  • HANG SENG

    23.658,92
    +183,66 (+0,78%)
     
  • NIKKEI

    27.935,62
    +113,86 (+0,41%)
     
  • NASDAQ

    16.373,25
    +222,75 (+1,38%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3961
    +0,0261 (+0,41%)
     

Preços de carnes, frango e suínos já recuam no atacado com embargo da China às exportações brasileiras

·3 min de leitura

RIO — O embargo chinês às importações de carne brasileira, que já dura 45 dias, reduziu o preço do boi vivo e o alívio poderá chegar ao consumidor final, preveem analistas. O preço da arroba do boi gordo atingiu R$ 264,30 nesta terça-feira, menor patamar do ano, segundo dados do Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada(Cepea), da Esalq/USP.

A queda já aparece nos índices de inflação no atacado. O Índice Geral de Preços da Fundação Getulio Vargas (IGP) mostra queda de 4,11% no preço no boi vivo na primeira prévia de outubro, com dados coletados até último dia 10.

O recuo na carne bovina influencia outras proteínas no atacado. Segundo dados do Cepea/USP, o quilo do frango congelado caiu 3% em 30 dias em São Paulo. A retração da carne suína foi de 3,6% na última semana.

Analistas afirmam que essas quedas devem chegar ao consumidor final se o embargo se mantiver por mais tempo. A previsão inicial do governo brasileiro e dos produtores de carne era de uma suspensão das exportações por 15 dias, mas a China está demorando a rever sua decisão.

O embargo ocorreu após o governo brasileiro notificar dois casos atípicos do mal da vaca louca, doença que atinge os bovinos. É praxe esse tipo de notificação e, como se tratavam de casos atípicos (ou seja, que ocorre em um animal de forma isolada, causada pelo envelhecimento, e não por consumo de ração inadequada), a previsão era de que a suspensão das compras chinesas, o que também é rotina neste tipo de situação, demorasse pouco tempo.

— Por enquanto, o embargo aumentaria a oferta doméstica e favoreceria a queda de preços aqui no Brasil. Acho que chega sim ao consumidor, mas é mais lento. Se ao produtor a gente já vê bovino vivo com queda de 4%, é um sinal que esse efeito vai caminhar ao longo da cadeia produtiva, e isso vai chegar sim ao consumidor. Vai demorar um pouco mas chega — explica o economista André Braz, da Fundação Getulio Vargas (FGV-Ibre).

O preço no varejo ainda não caiu, mas as altas estão perdendo fôlego. Segundo os dados da FGV, as carnes bovinas subiram 0,25% no IPC-10, que mede os preços ao consumidor até o dia 10 de outubro. No levantamento anterior, de setembro, a alta fora de 0,36%.

Mas, mesmo que a queda do preço nas fazendas chegue até as gôndolas dos supermercados, o consumidor ainda vai sentir a carne cara. Os preços acumulam alta de nada menos do que 24% nos últimos 12 meses.

Thiago Bernardino de Carvalho, pesquisador de pecuária do Cepea, lembra que, além do aumento de custos para os produtores com a armazenagem da carne que seria exportada para a China, o embargo ocorre em um momento em que o próprio mercado interno está enfraquecido devido aos preços altos:

— Um mercado doméstico todo combalido, enfraquecido, por causa do desemprego, de renda e olhando uma carne de frango muito barata. Do outro lado, pensando na produção, temos o gado de confinamento saindo com um custo muito alto.

Segundo Fernando Iglesias, consultor do setor Carnes da Safras&Mercado, quanto mais tempo passa, pior se torna o cenário. Os frigoríficos estão com suas câmaras frias lotadas e manter este estoque parado representa um custo elevado.

— Caso essa carne que deveria ir para a China fosse disponibilizada integralmente no mercado doméstico, seriam mais de 100 mil toneladas. Os preços desabariam em toda a cadeia pecuária, movimento que tende a contaminar as proteínas concorrentes. Os preços para o consumidor final seriam mais acessíveis, entretanto haveria dano de longo prazo, considerando os prejuízos da indústria frigorífica e dos pecuaristas — ressalta o especialista.

*Estagiário, sob supervisão de Luciana Rodrigues

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos