Mercado fechará em 2 h 18 min
  • BOVESPA

    113.188,72
    -875,64 (-0,77%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.275,41
    -188,86 (-0,37%)
     
  • PETROLEO CRU

    74,07
    +0,77 (+1,05%)
     
  • OURO

    1.751,50
    +1,70 (+0,10%)
     
  • BTC-USD

    41.992,79
    -2.752,41 (-6,15%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.043,41
    -59,65 (-5,41%)
     
  • S&P500

    4.448,57
    -0,41 (-0,01%)
     
  • DOW JONES

    34.759,16
    -5,66 (-0,02%)
     
  • FTSE

    7.051,48
    -26,87 (-0,38%)
     
  • HANG SENG

    24.192,16
    -318,82 (-1,30%)
     
  • NIKKEI

    30.248,81
    +609,41 (+2,06%)
     
  • NASDAQ

    15.279,25
    -24,25 (-0,16%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,2512
    +0,0262 (+0,42%)
     

Preços do café em forte alta durante geada no Brasil

·3 minuto de leitura
Trabalhador seca grãos de café orgânico em Mococa, interior de São Paulo, em 6 de agosto de 2015

Os preços do café registraram esta semana o maior nível nos últimos anos, após uma série de altas recentes no momento em que o Brasil, principal produtor mundial, perdeu parte de sua colheita devido a geadas.

O café do tipo arábica subiu na sexta-feira a mais de dois dólares por libra, o maior nível desde fevereiro de 2014.

O preço do grão arábica, de maior qualidade, disparou 60% desde janeiro.

Ao mesmo tempo, o café robusta, de qualidade inferior e cultivado majoritariamente no sudeste da Ásia, registrou a maior cotação desde outubro 2017, a 1.993 dólares por tonelada, um aumento de 40% desde o início do ano.

"Várias razões explicam a alta astronômica nos preços do café", declarou à AFP Carlos Mera, analista do Rabobank, ao citar as condições climáticas no Brasil.

Mera mencionou também o aumento dos custos de transporte e a turbulência política na Colômbia, terceiro maior produtor mundial do grão.

O Brasil sofreu uma seca histórica há alguns meses, seguida por uma forte geada esta semana em plantações importantes de Minas Gerais, responsável por 70% da produção de café arábica do Brasil.

Temperaturas abaixo de zero "provocaram a desfolha das safras e até mataram as plantas mais novas", fundamentais para as colheitas futuras, disse Mera.

O café arábica tem um ciclo de produção bienal, no qual um ano de baixo rendimento é seguido por outro de alta produtividade.

- Longa crise de preços -

A alta do mercado aconteceu "pelas temperaturas geladas em áreas de cultivo do Brasil", afirmou Jack Scoville, analista do Price Group.

"Temperaturas gélidas foram relatadas em grande parte de Minas Gerais, Paraná e São Paulo. Ainda não se sabe a extensão dos danos, mas uma parte significativa da safra foi afetada", completou.

Ele explicou é o período de florada para a próxima colheita, "e as flores congelaram e vão cair", disse, antes de indicar que a temperatura começou a subir.

Ao mesmo tempo, a demanda mundial de café subiu este ano com a reabertura das economias globais após a turbulência pela pandemia.

O grão arábica se viu favorecido com a abertura, porque é muito utilizado em cafeterias e restaurantes, ao contrário do robusta, usado em cafés instantâneos.

Embora as condições favoreçam os preços elevados, o economista Philippe Chalmin explicou que o valor do café foi particularmente baixo nos últimos anos.

"Os produtores de café passaram por uma longa crise de preços", destacou à AFP Valeria Rodríguez, da associação de comércio justo Max Havelaar.

"Nos últimos quatro ou cinco anos, a maioria trabalhou com perda", disse.

A analista advertiu que "se a colheita é menor, isto significa que há produtores de café em algum lugar do Brasil que não terão café para vender, portanto não terão receita".

- Lento aumento -

Os preços crescentes estão sendo transferidos aos consumidores "lentamente", segundo Mera.

"Os torrefadores usam o mercado futuro para se proteger dos aumentos de preço a curto prazo, então normalmente demora de três a nove meses para que os consumidores vejam os efeitos", explicou.

Ainda assim, afirmou, os aumentos para os consumidores serão mais moderados do que os da matéria-prima devido a outros fatores que afetam o preço no varejo, como transporte, embalagem e comercialização.

"O café em grão é vendido em média a 15 euros (28 dólares) por quilo e em cápsulas a 45 euros (US$ 54) por quilo ou mais", disse Rodríguez, após recordar que estes preços estão longe dos valores do grão arábica, de menos de quatro euros (4,8 dólares) por quilo.

O atual contexto nos preços do café também é parte de um cenário geral de alta das matérias-primas, tanto agrícolas como industriais.

bp-rfj-jwp/mas/zm/fp

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos