Mercado fechado
  • BOVESPA

    111.923,93
    +998,33 (+0,90%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.234,37
    -223,18 (-0,43%)
     
  • PETROLEO CRU

    80,34
    -0,88 (-1,08%)
     
  • OURO

    1.797,30
    -3,80 (-0,21%)
     
  • BTC-USD

    17.033,93
    +102,95 (+0,61%)
     
  • CMC Crypto 200

    404,33
    +2,91 (+0,72%)
     
  • S&P500

    4.071,70
    -4,87 (-0,12%)
     
  • DOW JONES

    34.429,88
    +34,87 (+0,10%)
     
  • FTSE

    7.556,23
    -2,26 (-0,03%)
     
  • HANG SENG

    18.675,35
    -61,09 (-0,33%)
     
  • NIKKEI

    27.777,90
    -448,18 (-1,59%)
     
  • NASDAQ

    11.979,00
    -83,75 (-0,69%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,4940
    +0,0286 (+0,52%)
     

Preços caem com temores de alta de juros nos EUA e baixa demanda na China

Barris de petróleo em miniatura 3D

Por Arathy Somasekhar

HOUSTON (Reuters) - Os preços do petróleo caíram mais de 3% nesta quinta-feira, com a demanda reprimida pelos crescentes casos de Covid na China e temores de aumentos mais agressivos nas taxas de juros dos EUA.

O petróleo Brent caiu 3,08 dólares para fechar em 89,78 dólares o barril, queda de 3,3%. O petróleo dos EUA (WTI) caiu 3,95 dólares, ou 4,6%, para 81,64 dólares por barril.

"É uma espécie de golpe triplo. Temos casos de Covid-19 aumentando na China, as taxas de juros continuam subindo aqui nos EUA e agora temos fraqueza técnica no mercado", disse Dennis Kissler, vice-presidente sênior de negociação na BOK Financial.

O presidente do Federal Reserve de St. Louis, James Bullard, disse que uma regra básica de política monetária exigiria que as taxas de juros subissem para pelo menos cerca de 5%, enquanto suposições mais rígidas recomendariam taxas acima de 7%.

O dólar também subiu à medida que os investidores digeriam os dados econômicos dos EUA. Um dólar mais forte torna o petróleo denominado em dólar mais caro para os detentores de outras moedas.

A China relatou aumento diário de infecções por Covid e as refinarias chinesas pediram para reduzir o volume de petróleo saudita em dezembro, informou a Reuters, ao mesmo tempo em que desacelerou as compras de petróleo russo.

Embora a carga de casos de Covid da China seja menor do que a de outros países, o maior importador de petróleo do mundo mantém políticas rigorosas para reprimir os primeiros surtos, diminuindo a demanda por combustível.

(Reportagem Arathy Somasekhar em Houston e Alex Lawler em Londres; com reportagem adicional de Emily Chow e Jeslyn Lerh)