Mercado fechado
  • BOVESPA

    117.380,49
    -948,50 (-0,80%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    44.683,55
    -126,66 (-0,28%)
     
  • PETROLEO CRU

    51,98
    -1,15 (-2,16%)
     
  • OURO

    1.855,50
    -10,40 (-0,56%)
     
  • BTC-USD

    31.927,82
    +133,49 (+0,42%)
     
  • CMC Crypto 200

    651,44
    +41,45 (+6,79%)
     
  • S&P500

    3.841,47
    -11,60 (-0,30%)
     
  • DOW JONES

    30.996,98
    -179,03 (-0,57%)
     
  • FTSE

    6.695,07
    -20,35 (-0,30%)
     
  • HANG SENG

    29.447,85
    -479,91 (-1,60%)
     
  • NIKKEI

    28.631,45
    -125,41 (-0,44%)
     
  • NASDAQ

    13.355,25
    -40,25 (-0,30%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,6542
    +0,1458 (+2,24%)
     

Preços caem com mercado de ações dos EUA em baixa e indecisão da Opep+

Scott DiSavino
·1 minuto de leitura
FILE PHOTO: The sun is seen behind a crude oil pump jack in the Permian Basin in Loving County

Por Scott DiSavino

NOVA YORK (Reuters) - Os preços do petróleo se afastaram de máximas de vários meses e terminaram a primeira sessão do ano com queda de mais de 1%, após a Opep+ não conseguir chegar a um acordo nesta segunda-feira sobre os níveis de produção de fevereiro e agendar uma nova reunião para terça-feira.

Os contratos futuros do petróleo Brent fecharam em queda de 0,71 dólar, ou 1,4%, a 51,09 dólares por barril, e o petróleo dos Estados Unidos (WTI) recuou 0,90 dólares, ou 1,9%, para 47,62 dólares o barril.

No início da sessão, o WTI chegou a bater o maior nível desde fevereiro, enquanto o Brent atingiu o mais alto patamar desde março. O prêmio do Brent sobre o WTI alcançou o nível mais elevado desde maio.

O S&P 500 e o Dow Jones também recuaram de máximas recordes, em momento em que o presidente dos EUA, Donald Trump, viaja para a Geórgia na tentativa de manter o controle do Senado norte-americano nas mãos do Partido Republicano, antes do segundo turno da eleição no Estado.

A Organização dos Países Exportadores de Petróleo (Opep) e aliados, que formam o grupo conhecido como Opep+, vai retomar negociações na terça-feira após chegar a um impasse em relação aos níveis de bombeamento para fevereiro --a Arábia Saudita é contra um aumento de produção, devido à imposição de novos lockdowns, enquanto a Rússia defende um bombeamento maior, citando a recuperação da demanda.

"Tudo pode acontecer, mas pode ser que a Rússia não queira perder prestígio e capitular tão facilmente. Parece que teremos negociações demoradas", disse Bjornar Tonhaugen, head de mercados de petróleo da Tystad Energy.

(Reportagem adicional de Bozorgmehr Sharafedin, em Londres, e Florence Tan, em Cingapura)