Mercado fechado
  • BOVESPA

    108.976,70
    -2.854,45 (-2,55%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.668,64
    -310,37 (-0,60%)
     
  • PETROLEO CRU

    76,28
    -1,66 (-2,13%)
     
  • OURO

    1.754,00
    +8,40 (+0,48%)
     
  • BTC-USD

    16.514,72
    +42,96 (+0,26%)
     
  • CMC Crypto 200

    386,97
    +4,32 (+1,13%)
     
  • S&P500

    4.026,12
    -1,14 (-0,03%)
     
  • DOW JONES

    34.347,03
    +152,97 (+0,45%)
     
  • FTSE

    7.486,67
    +20,07 (+0,27%)
     
  • HANG SENG

    17.573,58
    -87,32 (-0,49%)
     
  • NIKKEI

    28.283,03
    -100,06 (-0,35%)
     
  • NASDAQ

    11.782,80
    -80,00 (-0,67%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,6244
    +0,0991 (+1,79%)
     

Preços caem 2% e têm segunda queda semanal com menos temores sobre oferta

Barril de petróleo em miniatura 3D

Por Alex Lawler

LONDRES (Reuters) - O petróleo caiu cerca de 2% nesta sexta-feira, registrando uma segunda queda semanal, pressionado pela preocupação com o enfraquecimento da demanda na China e novos aumentos nas taxas de juros dos EUA.

Além disso, a estrutura de mercado de petróleo mudou de forma a refletir as preocupações cada vez menores com a oferta. O petróleo chegou perto de recordes este ano, com a invasão da Ucrânia pela Rússia aumentando essas preocupações.

O Brent fechou a 87,62 dólares o barril, caindo 2,16 dólares, ou 2,4%. O petróleo dos EUA (WTI) fechou a 80,08 dólares o barril, recuando 1,56 dólar, ou 1,9%.

Ambos os benchmarks registraram perdas semanais, com o Brent caindo cerca de 9% e o WTI cerca de 10%.

A China, que fontes dizem estar tentando desacelerar as importações de petróleo de alguns exportadores, viu um aumento nos casos de Covid-19, enquanto as esperanças de aumentos menos agressivos nas taxas dos EUA foram prejudicadas por comentários de algumas autoridades do Federal Reserve nesta semana.

"Do jeito que as coisas estão, os impulsionadores dos preços estão em falta", disse Stephen Brennock, da corretora de petróleo PVM. "No entanto, com o embargo da UE ao petróleo russo a menos de três semanas, os preços do petróleo ainda podem terminar o ano em alta".

(Reportagem de Alex Lawler; com reportagem adicional de Sonali Paul em Melbourne e Muyu Xu em Cingapura)