Mercado fechado

Preços ao produtor no Brasil desaceleram alta a 1,83% em maio

Fábrica de alimentos no Estado de São Paulo

Por Camila Moreira

SÃO PAULO (Reuters) - Os preços ao produtor no Brasil passaram a subir 1,83% em maio, desacelerando ante a taxa de 2,08% do mês anterior e acumulando nos últimos 12 meses aumento de 19,15%, informou o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) nesta sexta-feira.

No mês, a indústria extrativa foi o destaque com a maior variação, de 12,50%, deixando para trás a deflação de 11,54% vista em abril.

“Os dois produtos com maior peso nas indústrias extrativas – óleo bruto de petróleo e minério de ferro – contribuíram para o destaque no IPP de maio por razões parecidas", explicou o analista da pesquisa, Felipe Câmara.

"A combinação de depreciação cambial com recuperação dos preços internacionais é importante para explicar o aumento de preços das indústrias extrativas, a principal responsável pelo resultado geral no mês", completou.

Por outro lado, a indústria de alimentos registrou desaceleração nos preços para uma alta de 0,32% em maio, de 2,21% antes, em meio ao fim da colheita da soja e ao maior nível do abate de bovinos, que aumentaram a oferta nestas duas cadeias.

O IPP mede a variação dos preços de produtos na “porta da fábrica”, isto é, sem impostos e frete, de 24 atividades das indústrias extrativas e da transformação.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos