Mercado fechado
  • BOVESPA

    117.669,90
    -643,10 (-0,54%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    47.627,67
    -560,43 (-1,16%)
     
  • PETROLEO CRU

    59,61
    +0,29 (+0,49%)
     
  • OURO

    1.742,50
    -2,30 (-0,13%)
     
  • BTC-USD

    59.951,63
    +174,89 (+0,29%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.279,92
    +52,38 (+4,27%)
     
  • S&P500

    4.128,80
    +31,63 (+0,77%)
     
  • DOW JONES

    33.800,60
    +297,00 (+0,89%)
     
  • FTSE

    6.915,75
    -26,47 (-0,38%)
     
  • HANG SENG

    28.698,80
    -309,30 (-1,07%)
     
  • NIKKEI

    29.737,65
    -30,41 (-0,10%)
     
  • NASDAQ

    13.790,75
    -38,75 (-0,28%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,7627
    -0,0015 (-0,02%)
     

Preços ao produtor da zona do euro sobem mais do que o esperado em janeiro

·1 minuto de leitura
Fábrica da SWS Medicare em Landshut, Alemanha

BRUXELAS (Reuters) - Os preços ao produtor da zona do euro subiram mais do que o esperado em janeiro, sinalizando pressões inflacionárias mais fortes, mostraram dados do escritório de estatísticas da União Europeia, Eurostat, nesta quarta-feira.

O Eurostat disse que os preços nas portas das fábricas saltaram 1,4% no comparativo mensal em janeiro, ficando estável na variação anual. Economistas consultados pela Reuters esperavam um ganho mensal de 1,2% e uma queda anual de 0,4%.

O resultado mensal foi sustentado por altas de 3,5% nos preços da energia e de 1,2% nos bens intermediários. Sem o componente volátil de energia, os preços ao produtor subiram 0,8% em relação a dezembro.

Em termos anuais, os preços da energia caíram 1,6% e os bens de consumo não duráveis ficaram 0,5% mais baratos. Sem contar a energia, os preços ao produtor subiram 0,7% em relação a janeiro de 2020.

Os preços ao produtor mostram pressões inflacionárias no início da cadeia econômica e se traduzem em mudanças nos preços ao consumidor, que o Banco Central Europeu quer manter abaixo mas perto de 2% no médio prazo.

(Por Jan Strupczewsk)