Mercado abrirá em 1 h 37 min
  • BOVESPA

    110.909,61
    +2.127,46 (+1,96%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.174,06
    -907,27 (-1,78%)
     
  • PETROLEO CRU

    79,88
    +1,68 (+2,15%)
     
  • OURO

    1.776,40
    +12,70 (+0,72%)
     
  • BTC-USD

    16.891,59
    +393,46 (+2,38%)
     
  • CMC Crypto 200

    400,82
    +12,10 (+3,11%)
     
  • S&P500

    3.957,63
    -6,31 (-0,16%)
     
  • DOW JONES

    33.852,53
    +3,07 (+0,01%)
     
  • FTSE

    7.548,13
    +36,13 (+0,48%)
     
  • HANG SENG

    18.597,23
    +392,55 (+2,16%)
     
  • NIKKEI

    27.968,99
    -58,85 (-0,21%)
     
  • NASDAQ

    11.567,25
    +42,50 (+0,37%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,4642
    +0,0076 (+0,14%)
     

Preços ao consumidor nos EUA aumentam menos do que o esperado em outubro

Supermercado em Los Angeles, EUA

WASHINGTON (Reuters) - Os preços ao consumidor nos Estados Unidos aumentaram menos do que o esperado em outubro e o núcleo da inflação parece ter atingido seu pico, o que poderia permitir ao Federal Reserve reduzir o ritmo de seus fortes aumentos de juros.

O índice de preços ao consumidor norte-americano subiu 0,4% no mês passado, após avançar pela mesma margem em setembro, informou o Departamento do Trabalho dos EUA nesta quinta-feira. Economistas consultados pela Reuters previam que o índice avançaria 0,6%.

Nos 12 meses até outubro, a inflação ao consumidor foi de 7,7%, após alta de 8,2% em setembro.

Foi a primeira vez desde fevereiro que a leitura anual do índice de preços ao consumidor ficou abaixo de 8%. A inflação anual atingiu um pico de 9,1% em junho, maior taxa desde novembro de 1981. A inflação acumulada em 12 meses está desacelerando à medida que os grandes aumentos do ano passado são excluídos do cálculo.

Na semana passada, o Fed promoveu um quarto aumento de juro seguido de 0,75 ponto percentual e disse que sua luta para reduzir a inflação para a meta de 2% exigiria que os custos dos empréstimos subissem ainda mais. No entanto, o banco central dos EUA sinalizou que pode estar se aproximando de um ponto de virada no que se tornou o ciclo de aperto monetário mais rápido desde a década de 1980.

Embora os preços da gasolina tenham aumentado após três quedas mensais consecutivas, a inflação de bens está desacelerando à medida que a demanda se volta para serviços e as cadeias de suprimentos globais se recuperam. Os varejistas também estão acumulando excesso de mercadorias, o que os força a oferecer descontos para esvaziar as prateleiras.

Excluindo os componentes voláteis de alimentos e energia, o índice de preços ao consumidor dos EUA aumentou 0,3% no mês passado, após ganhar 0,6% em setembro. O núcleo da inflação, como é conhecida essa medida, está sendo impulsionado pelo aumento dos aluguéis, à medida que as taxas de hipoteca crescentes afastam potenciais compradores de casas.

O núcleo do índice de preços ao consumidor norte-americano aumentou 6,3% nos 12 meses até outubro. O núcleo havia saltado 6,6% em base anual em setembro.

O impulso para a inflação vindo do setor de serviços tem origem nos salários, em meio a condições apertadas do mercado de trabalho. Um relatório separado do Departamento do Trabalho dos EUA desta quinta-feira mostrou que o número de norte-americanos que entraram com novos pedidos de auxílio-desemprego aumentou moderadamente na semana passada.

Os pedidos iniciais de auxílio subiram em 7 mil, para 225 mil em dado ajustado sazonalmente, na semana encerrada em 5 de novembro. Economistas previam 220 mil solicitações para o período.

(Por Lucia Mutikani)