Mercado fechado
  • BOVESPA

    108.451,20
    +74,85 (+0,07%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    45.442,21
    +436,10 (+0,97%)
     
  • PETROLEO CRU

    81,78
    -0,37 (-0,45%)
     
  • OURO

    1.667,30
    -2,70 (-0,16%)
     
  • BTC-USD

    19.558,29
    +497,27 (+2,61%)
     
  • CMC Crypto 200

    447,10
    +18,32 (+4,27%)
     
  • S&P500

    3.719,04
    +71,75 (+1,97%)
     
  • DOW JONES

    29.683,74
    +548,75 (+1,88%)
     
  • FTSE

    7.005,39
    +20,80 (+0,30%)
     
  • HANG SENG

    17.250,88
    -609,43 (-3,41%)
     
  • NIKKEI

    26.173,98
    -397,89 (-1,50%)
     
  • NASDAQ

    11.562,75
    +7,00 (+0,06%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,2279
    +0,0680 (+1,32%)
     

Preços ao consumidor nos EUA ficam inalterados em julho

Consumidores fazem compras em supermercado de Nova York

(Reuters) - Os preços ao consumidor nos Estados Unidos ficaram inalterados em julho devido a uma queda acentuada no custo da gasolina, proporcionando o primeiro sinal notável de alívio para os bolsos dos norte-americanos, que viram a inflação disparar nos últimos dois anos.

O índice de preços ao consumidor (IPC) permaneceu inalterado no mês passado após avançar 1,3% em junho, disse o Departamento do Trabalho disse nesta quarta-feira. O relatório, no entanto, mostrou que as pressões inflacionárias subjacentes permanecem elevadas enquanto o Federal Reserve pondera se deve ou não adotar outro aumento alto dos juros em setembro.

Economistas consultados pela Reuters projetavam aumento de 0,2% do índice em julho na esteira de queda de cerca de 20% no custo da gasolina. Os preços nas bombas dispararam na primeira metade do ano devido à guerra na Ucrânia, atingindo picos recordes de 5 dólares por galão em meados de junho, de acordo com dados da Associação Automobilística Americana (AAA).

Mas o Fed indicou que precisa ver vários meses de arrefecimento do crescimento dos preços antes de parar sua batalha contra a inflação --atualmente a mais alta em 40 anos.

Os preços ao consumidor têm subido devido a vários fatores, incluindo gargalos nas cadeias de suprimentos globais, estímulos fiscais maciços dos governos no início da pandemia de Covid-19 e a guerra da Rússia na Ucrânia.

Os alimentos são um dos componentes do índice que permaneceram elevados em julho, com alta de 1,1%, de 1,0% em junho.

Nos 12 meses até julho, os preços ao consumidor aumentaram 8,5%, abaixo do esperado, após taxa de 9,1% em junho. As pressões do núcleo da inflação, que exclui os componentes voláteis de alimentos e energia, também mostraram alguns sinais encorajadores.

O núcleo do índice subiu 0,3% em julho depois de alta de 0,7% em junho, mas aumentou 5,9% nos 12 meses até julho, o mesmo ritmo que em junho.

(Reportagem de Lindsay Dunsmuir)