Mercado abrirá em 36 mins
  • BOVESPA

    106.363,10
    -56,43 (-0,05%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.714,60
    -491,99 (-0,94%)
     
  • PETROLEO CRU

    81,47
    -1,19 (-1,44%)
     
  • OURO

    1.801,40
    +2,60 (+0,14%)
     
  • BTC-USD

    60.956,06
    +1.880,97 (+3,18%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.466,80
    -7,53 (-0,51%)
     
  • S&P500

    4.551,68
    -23,11 (-0,51%)
     
  • DOW JONES

    35.490,69
    -266,19 (-0,74%)
     
  • FTSE

    7.233,20
    -20,07 (-0,28%)
     
  • HANG SENG

    25.555,73
    -73,01 (-0,28%)
     
  • NIKKEI

    28.820,09
    -278,15 (-0,96%)
     
  • NASDAQ

    15.678,50
    +91,25 (+0,59%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,4215
    -0,0032 (-0,05%)
     

Preços ao consumidor nos EUA sobem com força em setembro

·2 minuto de leitura
Loja da Macy´s em Nova York

WASHINGTON (Reuters) - Os preços ao consumidor nos Estados Unidos aumentaram com força em setembro e devem subir ainda mais nos próximos meses em meio a uma alta nos custos dos produtos de energia, o que lançaria dúvidas sobre a visão do Federal Reserve de que o aumento da inflação é transitório.

O índice de preços ao consumidor subiu 0,4% no mês passado, após alta de 0,3% em agosto, informou o Departamento do Trabalho nesta quarta-feira. Nos 12 meses até setembro, o índice aumentou 5,4%, após avançar 5,3% em agosto ante o ano anterior.

Excluindo os componentes voláteis de alimentos e energia, o índice teve alta de 0,2%, após avanço de 0,1% em agosto, o menor ganho em seis meses. O chamado núcleo da inflação subiu 4,0% em comparação com o ano anterior, após alta de 4,0% em agosto.

Economistas consultados pela Reuters projetavam alta de 0,3% do índice geral e 0,2% do núcleo.

Os preços do petróleo saltaram na segunda-feira para máximas em anos, em meio a uma recuperação na demanda mundial pós-pandemia. Embora os futuros do petróleo Brent tenham caído na quarta-feira, os preços permaneceram acima de 80 dólares o barril. Os preços do gás natural também subiram.

Produtos de energia caros somaram-se ao aumento salarial para exercer pressão de alta sobre a inflação. O governo informou na semana passada que os ganhos médios por hora subiram ao maior patamar em sete meses no mês de setembro em comparação com o ano anterior, devido à escassez de trabalhadores.

Com o número de pessoas que abandonaram voluntariamente seus empregos tocando um recorde em agosto e pelo menos 10,4 milhões de vagas não preenchidas, a inflação salarial deve aumentar ainda mais.

O chair do Fed, Jerome Powell, disse repetidamente que a alta da inflação, pela qual ele culpava os gargalos na cadeia de abastecimento, era transitória. Quase dois anos após o início da pandemia, não há sinais de que os gargalos estão diminuindo.

Isso tem levado à escassez de bens, como veículos, e preços mais altos aos consumidores.

A medida de inflação preferida do Fed para sua meta flexível de 2%, o núcleo do PCE, avançou 3,6% nos 12 meses encerrados em agosto, subindo na mesma margem pelo terceiro mês seguido. Os dados de setembro serão divulgados neste mês.

No mês passado, o Fed elevou sua projeção do núcleo do PCE deste ano para 3,7%, ante 3,0% em junho.

(Por Lucia Mutikani)

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos