Mercado fechará em 4 h 27 min
  • BOVESPA

    122.196,14
    +315,32 (+0,26%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    49.253,54
    +34,28 (+0,07%)
     
  • PETROLEO CRU

    65,98
    +0,61 (+0,93%)
     
  • OURO

    1.866,00
    +27,90 (+1,52%)
     
  • BTC-USD

    43.900,66
    -4.100,77 (-8,54%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.213,05
    +15,13 (+1,26%)
     
  • S&P500

    4.150,95
    -22,90 (-0,55%)
     
  • DOW JONES

    34.206,48
    -175,65 (-0,51%)
     
  • FTSE

    7.039,80
    -3,81 (-0,05%)
     
  • HANG SENG

    28.194,09
    +166,52 (+0,59%)
     
  • NIKKEI

    27.824,83
    -259,67 (-0,92%)
     
  • NASDAQ

    13.279,75
    -107,25 (-0,80%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3961
    -0,0079 (-0,12%)
     

Preços ao consumidor nos EUA têm maior alta em 8 anos e meio em março

Lucia Mutikani
·2 minuto de leitura
Preços ao consumidor nos EUA têm maior alta em 8 anos e meio em março

Por Lucia Mutikani

WASHINGTON (Reuters) - Os preços ao consumidor nos Estados Unidos tiveram a maior alta em mais de oito anos uma vez que o aumento das vacinações e o forte estímulo fiscal liberaram a demanda reprimida, desencadeando o que a maioria dos economistas espera ser um rápido período de inflação mais alta.

O relatório do Departamento do Trabalho também mostrou nesta terça-feira aceleração no núcleo da inflação no mês passado, uma vez que a forte demanda deu de frente com restrições sobre a oferta.

O chair do Federal Reserve, Jerome Powell, e muitos economistas veem o aumento da inflação como transitório, com expectativa de que as cadeias de oferta se adaptem e se tornem mais eficientes.

O índice de preços ao consumidor subiu 0,6% no mês passado, maior alta desde agosto de 2012, depois de alta de 0,4% em fevereiro.

O preço da gasolina subiu 9,1%, respondendo por quase metade do índice do mês passado, depois de alta de 6,4% em fevereiro. Os preços dos alimentos subiram 0,1% no mês passado. O custo da alimentação dentro e fora de casa também subiu 0,1%.

Economistas consultados pela Reuters projetavam alta de 0,5% do índice. No acumulado de 12 meses até março, o índice apresentou alta de 2,6%. Foi a maior leitura desde agosto de 2018 e seguiu um aumento de 1,7% em fevereiro. O salto refletiu principalmente a queda do cálculo das leituras da última primavera do Hemisfério Norte.

Excluindo os componentes voláteis de alimentos e energia, o índice teve alta de 0,3% após avanço de 0,1% em fevereiro. O maior ganho em sete meses no chamado núcleo da inflação foi impulsionado por um aumento nos aluguéis, custos mais altos de seguro de automóveis, bem como lazer e móveis domésticos mais caros. Mas os preços de vestuário caíram, assim como os custos relacionados à educação.

O núcleo do índice aumentou 1,6% na base anual, após alta de 1,3% em fevereiro. O Fed acompanha o índice PCE de inflação para sua meta de alta dos preços de 2%, uma média flexível. O núcleo do PCE principal está em 1,5%.