Mercado fechará em 3 h 42 min
  • BOVESPA

    119.419,84
    -144,59 (-0,12%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    48.841,97
    +442,17 (+0,91%)
     
  • PETROLEO CRU

    65,09
    -0,54 (-0,82%)
     
  • OURO

    1.815,20
    +30,90 (+1,73%)
     
  • BTC-USD

    57.104,93
    -533,77 (-0,93%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.484,27
    +12,86 (+0,87%)
     
  • S&P500

    4.180,46
    +12,87 (+0,31%)
     
  • DOW JONES

    34.394,17
    +163,83 (+0,48%)
     
  • FTSE

    7.076,17
    +36,87 (+0,52%)
     
  • HANG SENG

    28.637,46
    +219,46 (+0,77%)
     
  • NIKKEI

    29.331,37
    +518,77 (+1,80%)
     
  • NASDAQ

    13.543,00
    +52,00 (+0,39%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3614
    -0,0655 (-1,02%)
     

Preços ao consumidor no Japão voltam a cair em março

Leika Kihara
·1 minuto de leitura
Supermercado em Tóquio

Por Leika Kihara

TÓQUIO (Reuters) - O núcleo do índice de preços ao consumidor do Japão caiu em março pelo oitavo mês seguido e analistas esperam mais quedas à frente devido ao impacto dos cortes das tarifas de telefonia celular, deixando o banco central sob pressão para manter seu forte estímulo buscando estimular a inflação.

O salto nas novas infecções por Covid-19 e o plano do governo de declarar um terceiro estado de emergência a partir de domingo também podem pesar sobre a inflação ao afetar o já fraco consumo no país.

O núcleo do índice de preços ao consumidor, que inclui produtos de petróleo mas exclui os voláteis preços de alimentos frescos, recuou 0,1% em março sobre o ano anterior, mostraram dados do governo nesta sexta-feira, em linha com a expectativa do mercado.

O ritmo de queda desacelerou ante o recuo de 0,4% em fevereiro devido principalmente a uma recuperação nos custos da gasolina, já que as esperanças de uma forte recuperação econômica global elevaram os preços do petróleo nos últimos meses.

Embora o efeito base da queda do ano passado nos custos de energia possa sustentar o índice, isso pode ser mais do que compensado pelos cortes nas taxas de telefonia celular pelas principais operadoras e que serão incorporados nos dados a partir de abril, disseram analistas.

Ainda que o governo não divulgue quanto os cortes podem afetar o índice, analistas esperam que eles o reduzam em 0,6 ponto percentual.