Mercado fechado
  • BOVESPA

    117.380,49
    -948,50 (-0,80%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    44.683,55
    -126,66 (-0,28%)
     
  • PETROLEO CRU

    51,98
    -1,15 (-2,16%)
     
  • OURO

    1.855,50
    -10,40 (-0,56%)
     
  • BTC-USD

    32.727,22
    +932,89 (+2,93%)
     
  • CMC Crypto 200

    651,44
    +41,45 (+6,79%)
     
  • S&P500

    3.841,47
    -11,60 (-0,30%)
     
  • DOW JONES

    30.996,98
    -179,03 (-0,57%)
     
  • FTSE

    6.695,07
    -20,35 (-0,30%)
     
  • HANG SENG

    29.447,85
    -479,91 (-1,60%)
     
  • NIKKEI

    28.631,45
    -125,41 (-0,44%)
     
  • NASDAQ

    13.355,25
    -40,25 (-0,30%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,6542
    +0,1458 (+2,24%)
     

Preços ao consumidor no Japão recuam no ritmo mais forte em uma década em novembro

Kaori Kaneko e Leika Kihara
·1 minuto de leitura
Loja em distrito de compras de Tóquio

Por Kaori Kaneko e Leika Kihara

TÓQUIO (Reuters) - O núcleo dos preços ao consumidor do Japão recuou em novembro no ritmo mais forte em uma década diante do impacto da pandemia de coronavírus sobre a demanda, provocando temores de retorno da deflação.

O núcleo dos preços ao consumidor, que exclui os custos voláteis de alimentos frescos, recuou 0,9% em novembro na comparação com o ano anterior, mostraram dados do governo nesta sexta-feira, em linha com a expectativa do mercado.

Foi o quarto mês seguido de queda e o ritmo mais forte de declínio anual desde setembro de 2010.

Embora o recuo se deva principalmente à campanha de descontos de viagem do governo e aos preços fracos da energia, ele destaca a fraqueza da demanda doméstica.

A economia cresceu no ritmo mais rápido já registrado entre julho e setembro, recuperando-se com força da maior queda pós-guerra, uma vez que as exportações e o consumo se recuperaram do impacto inicial da pandemia.

Mas analistas esperam que qualquer recuperação agora seja modesta uma vez que o ressurgimento das infecções prejudica as perspectivas.