Mercado abrirá em 9 h 14 min
  • BOVESPA

    95.368,76
    -4.236,78 (-4,25%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    37.393,71
    -607,60 (-1,60%)
     
  • PETROLEO CRU

    37,58
    +0,19 (+0,51%)
     
  • OURO

    1.879,10
    -0,10 (-0,01%)
     
  • BTC-USD

    13.251,62
    +34,33 (+0,26%)
     
  • CMC Crypto 200

    262,21
    -10,48 (-3,84%)
     
  • S&P500

    3.271,03
    -119,65 (-3,53%)
     
  • DOW JONES

    26.519,95
    -943,24 (-3,43%)
     
  • FTSE

    5.582,80
    -146,19 (-2,55%)
     
  • HANG SENG

    24.434,40
    -274,40 (-1,11%)
     
  • NIKKEI

    23.247,68
    -170,83 (-0,73%)
     
  • NASDAQ

    11.236,75
    +104,00 (+0,93%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,7402
    +0,0058 (+0,09%)
     

Preços ao consumidor dos EUA desaceleram em setembro

·2 minutos de leitura

WASHINGTON (Reuters) - Os preços ao consumidor dos Estados Unidos subiram pelo quarto mês consecutivo em setembro, com o custo de carros e caminhões aumentando no maior ritmo desde 1969, embora a inflação esteja desacelerando em meio à ociosidade no mercado de trabalho conforme a economia apenas gradualmente se recupera da recessão da Covid-19.

Embora o relatório benigno do Departamento do Trabalho dos EUA desta terça-feira não tenha impacto direto sobre a política monetária, deve permitir que o Federal Reserve (Fed) mantenha os juros perto de zero por um tempo e continue com as injeções maciças de dinheiro à medida que o banco central dos EUA cuida da saúde econômica.

O Fed está agora mais preocupado com o mercado de trabalho e adotou metas flexíveis de inflação média, o que, em teoria, poderia fazer com que as autoridades tolerassem aumentos de preços acima da meta de 2% por um período de talvez vários anos, de forma a compensar os anos em que a inflação ficou abaixo de seu objetivo.

Pelo menos 25,5 milhões de norte-americanos estão recebendo alguma forma de auxílio-desemprego.

O índice de preços ao consumidor subiu 0,2% no mês passado, após ganho de 0,4% em agosto. O índice avançou 0,6% tanto em junho quanto em julho, após cair nos três meses anteriores, já que fechamentos de empresas --medida imposta na tentativa de desacelerar a disseminação do coronavírus-- pesaram sobre a demanda.

O salto de 6,7% nos preços de automóveis e caminhões usados foi o responsável pela maior parte do aumento do índice geral no mês passado. Esse foi o maior ganho desde fevereiro de 1969 e se seguiu a um avanço de 5,4% em agosto. Houve também aumentos nos custos de veículos novos e com recreação. Mas os preços de seguros de veículos, passagens aéreas e roupas recuaram.

No acumulado de 12 meses até setembro, o índice de preços ao consumidor subiu 1,4%, após alta de 1,3% em agosto. Economistas consultados pela Reuters previam que o índice subiria 0,2% em setembro e 1,4% em 12 meses.