Mercado abrirá em 7 h 10 min
  • BOVESPA

    111.716,00
    -2.354,00 (-2,06%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    45.395,94
    -928,96 (-2,01%)
     
  • PETROLEO CRU

    77,77
    -0,97 (-1,23%)
     
  • OURO

    1.643,40
    -12,20 (-0,74%)
     
  • BTC-USD

    18.795,79
    -191,80 (-1,01%)
     
  • CMC Crypto 200

    430,76
    -13,77 (-3,10%)
     
  • S&P500

    3.693,23
    -64,76 (-1,72%)
     
  • DOW JONES

    29.590,41
    -486,29 (-1,62%)
     
  • FTSE

    7.018,60
    -140,92 (-1,97%)
     
  • HANG SENG

    17.846,92
    -86,35 (-0,48%)
     
  • NIKKEI

    26.431,61
    -722,22 (-2,66%)
     
  • NASDAQ

    11.265,00
    -111,75 (-0,98%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,0819
    -0,0157 (-0,31%)
     

Preços ao consumidor caem em agosto pelo segundo mês consecutivo

Os preços ao consumidor no Brasil caíram em agosto pelo segundo mês consecutivo, com uma variação mensal de -0,36%, e a inflação nos últimos 12 meses caiu para menos de 10%, informou nesta sexta-feira o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

"O resultado de agosto foi influenciado principalmente pela queda no grupo dos  Transportes (-3,37%)... e Comunicação (-1,10%)", afirmou o IBGE.

A queda do Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) nos transportes foi determinado mais uma vez pela redução dos preços dos combustíveis (-10,82%), além das passagens aéreas (-12,07%), após quatro meses de altas.

Em julho, os preços caíram 0,68% (mensal), o menor registro desde o início da série histórica da pesquisa em 1980.

No ano, o IPCA acumulou alta de 4,39%, e 8,73% nos últimos 12 meses.

A nova redução em agosto é uma boa notícia para o presidente Jair Bolsonaro, que busca a reeleição em outubro argumentando uma melhora da economia brasileira após a pandemia.

O PIB do Brasil cresceu 1,2% no segundo trimestre em relação aos três meses anteriores, após um avanço de 1,1% no primeiro.

Bolsonaro está em segundo lugar nas pesquisas, atrás do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (32%-45% respectivamente, segundo o Instituto Datafolha), mas nas últimas semanas reduziu a diferença.

rsr/app/ad/jc