Mercado abrirá em 4 h 32 min

Preços do açúcar bruto devem fechar ano em baixa com superávits globais

Nigel Hunt
·2 minuto de leitura
Açúcar bruto em uma refinadora de açúcar em Hila, no Iraque

Por Nigel Hunt

LONDRES (Reuters) - Os contratos futuros do açúcar bruto devem terminar este ano mais de 8% abaixo dos níveis atuais, com um superávit global marginal nesta temporada se ampliando ligeiramente em 2021/22, apontou uma pesquisa da Reuters com 11 traders e analistas nesta segunda-feira.

Os preços devem fechar 2021 em 14,5 centavos de dólar por libra-peso, queda de 8,4% em relação ao fechamento de sexta-feira e 6,4% abaixo dos níveis no final de 2020, de acordo com a previsão mediana.

Os preços do açúcar branco provavelmente terminarão 2021 em 407,30 dólares por tonelada, uma queda de 10,7% em relação ao fechamento de sexta-feira e 3,2% abaixo dos níveis do final de 2020.

O consenso da pesquisa é de um superávit global de 0,5 milhão de toneladas para a temporada 2020/21, seguido por outro superávit de 2,8 milhões de toneladas em 2021/22.

Os preços do açúcar bruto subiram 15% no ano passado, com o aumento contribuindo para a produção recorde em 2020/21 de cerca de 38 milhões de toneladas na região centro-sul do Brasil.

Houve uma mudança no uso de mais cana para produzir açúcar em vez de etanol na temporada, impulsionada em parte pela fraca demanda pelo biocombustível associada a medidas para desacelerar a disseminação do Covid-19.

Os participantes da pesquisa tinham uma previsão mediana de 36,2 milhões de toneladas para a produção de açúcar do centro-sul do Brasil em 2021/22, abaixo do recorde desta temporada, mas ainda um nível forte.

A proporção da cana destinada à produção de açúcar foi estimada em 46% em 2021/22, em linha com esta safra e bem acima dos 34% utilizados em 2019/20.

"A demanda por combustível globalmente e seu impacto sobre os preços do petróleo irão realimentar os valores do etanol e o mix de açúcar brasileiro. A fraca demanda por gasolina e etanol no Brasil está fazendo com que os usineiros recebam sinais para maximizar a produção de açúcar", disse o analista do Grupo Sopex, John Stansfield.

A produção de açúcar da Índia foi estimada em 2021/22 em 33 milhões de toneladas, ante 32,4 milhões em 2020/21, de acordo com a previsão mediana da pesquisa.

Os participantes também citaram uma possível desaceleração nas compras pela China contribuindo para uma possível queda nos preços.

Eles observaram que está particularmente difícil prever a demanda de açúcar na próxima temporada, com uma recuperação no consumo fora de casa ligada em parte à eficácia e extensão dos programas de vacinação Covid-19 em todo o mundo.