Mercado abrirá em 7 h 13 min
  • BOVESPA

    108.976,70
    -2.854,30 (-2,55%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.668,64
    -310,36 (-0,60%)
     
  • PETROLEO CRU

    74,11
    -2,17 (-2,84%)
     
  • OURO

    1.750,90
    -3,10 (-0,18%)
     
  • BTC-USD

    16.199,47
    -374,38 (-2,26%)
     
  • CMC Crypto 200

    379,98
    -2,67 (-0,70%)
     
  • S&P500

    4.026,12
    -1,14 (-0,03%)
     
  • DOW JONES

    34.347,03
    +152,93 (+0,45%)
     
  • FTSE

    7.486,67
    +20,07 (+0,27%)
     
  • HANG SENG

    17.225,41
    -348,17 (-1,98%)
     
  • NIKKEI

    28.133,99
    -149,04 (-0,53%)
     
  • NASDAQ

    11.688,00
    -94,75 (-0,80%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,6077
    -0,0167 (-0,30%)
     

Preço sobe mais de US$3 enquanto Opep+ avalia maior corte de produção desde 2020

Unidade petrolífera de Midland

Por Noah Browning

LONDRES (Reuters) - Os preços do petróleo subiam mais de 3 dólares nesta segunda-feira, à medida que a Opep+ considera reduzir a produção em mais de 1 milhão de barris por dia (bpd), como forma de sustentar os preços com o que seria seu maior corte desde o início da pandemia de Covid-19.

Os contratos futuros de petróleo Brent ganhavam 3,56 dólares, ou 4,18%, a 88,70 dólares por barril às 08h40 (horário de Brasília). O petróleo dos EUA (WTI) subia 4,52%, ou 3,59 dólares, para 83,08 dólares.

Os preços do petróleo caíram por quatro meses consecutivos desde junho, com a demanda prejudicada pelos lockdowns da Covid-19 na China, principal consumidora mundial de energia, enquanto as taxas de juros crescentes e a alta do dólar pesavam nos mercados financeiros globais.

Para sustentar os preços, a Organização dos Países Exportadores de Petróleo (Opep) e seus aliados, conhecidos coletivamente como Opep+, estão considerando um corte de produção de mais de 1 milhão de bpd antes da reunião de quarta-feira, disseram fontes da Opep+ à Reuters.

Esse número não inclui cortes voluntários adicionais por membros individuais, acrescentou uma fonte da Opep.

Se acordado entre os países produtores, será o segundo corte mensal consecutivo do grupo, após uma redução de 100.000 bpd da produção no mês passado.

"O pano de fundo para a reunião desta semana é precário, mas os fundamentos do petróleo estão relativamente saudáveis", disse Peter McNally, líder global de energia da empresa de pesquisa de investimentos Third Bridge.

"Os dois maiores pontos de interrogação são as perspectivas de demanda (especialmente na China) e o que acontece com a oferta russa após a proibição da UE entrar em vigor em 5 de dezembro".

(Por Noah Browning; Reportagem adicional de Florence Tan e Muyu Xu)