Mercado fechado
  • BOVESPA

    106.927,79
    +1.397,79 (+1,32%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    53.744,92
    -185,48 (-0,34%)
     
  • PETROLEO CRU

    84,27
    +2,15 (+2,62%)
     
  • OURO

    1.817,30
    -4,10 (-0,23%)
     
  • BTC-USD

    42.940,02
    -486,12 (-1,12%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.037,76
    +12,03 (+1,17%)
     
  • S&P500

    4.662,85
    +3,82 (+0,08%)
     
  • DOW JONES

    35.911,81
    -201,79 (-0,56%)
     
  • FTSE

    7.542,95
    -20,90 (-0,28%)
     
  • HANG SENG

    24.383,32
    -46,48 (-0,19%)
     
  • NIKKEI

    28.124,28
    -364,82 (-1,28%)
     
  • NASDAQ

    15.616,75
    +126,50 (+0,82%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3174
    -0,0154 (-0,24%)
     

Preço do petróleo se aproxima de US$84 com expectativa de impacto reduzido da Ômicron

·1 min de leitura
Bomba de petróleo em Midland, no Texas, EUA.

Por Arathy Somasekhar

(Reuters) - O petróleo subiu para quase 84 dólares o barril nesta terça-feira, apoiado pela oferta restrita e pelas expectativas de que o aumento dos casos de coronavírus e a disseminação da variante Ômicron não inviabilizarão a recuperação da demanda global.

A falta de capacidade em alguns países fez com que os acréscimos de oferta pela Organização dos Países Exportadores de Petróleo (Opep) estejam abaixo do aumento permitido por um pacto com seus aliados. [OPEC/O]

Do lado da demanda, o presidente do Federal Reserve, Jerome Powell, disse na terça-feira que espera que o impacto econômico da Ômicron seja de curta duração, acrescentando que os trimestres seguintes podem ser muito positivos para a economia após o aumento impulsionado pelas variantes.

O petróleo Brent ganhou 2,85 dólares, ou 3,52%, para 83,72 dólares o barril, sua máxima desde o início de novembro, depois de ter perdido 1% na sessão anterior.

O petróleo dos EUA (WTI) subiu 2,99 dólares, ou 3,8%, para 81,22 dólares, também a máxima desde meados de novembro. Na segunda-feira, caiu 0,8%.

"A combinação de fatos - que a demanda será mais forte do que o previsto e que a oferta da Opep pode não crescer tão rápido quanto a demanda - é o motivo pelo qual os preços estão subindo", disse Phil Flynn, analista sênior do Price Futures Group.

O Brent subiu 50% em 2021 e se recuperou ainda mais em 2022, com os investidores esperando uma demanda crescente, enquanto a Opep e seus aliados, conhecidos coletivamente como Opep+, diminuem lentamente os cortes recordes de produção feitos em 2020.

(Reportagem adicional de Sonali Paul em Melbourne e Koustav Samanta em Cingapura)

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos