Mercado fechado
  • BOVESPA

    110.036,79
    +2.372,44 (+2,20%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    44.626,80
    -475,75 (-1,05%)
     
  • PETROLEO CRU

    79,74
    -1,49 (-1,83%)
     
  • OURO

    1.668,30
    -0,30 (-0,02%)
     
  • BTC-USD

    19.396,88
    -49,37 (-0,25%)
     
  • CMC Crypto 200

    443,49
    +0,06 (+0,01%)
     
  • S&P500

    3.585,62
    -54,85 (-1,51%)
     
  • DOW JONES

    28.725,51
    -500,10 (-1,71%)
     
  • FTSE

    6.893,81
    +12,22 (+0,18%)
     
  • HANG SENG

    17.222,83
    +56,96 (+0,33%)
     
  • NIKKEI

    25.937,21
    -484,84 (-1,83%)
     
  • NASDAQ

    11.058,25
    -170,00 (-1,51%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,3079
    +0,0099 (+0,19%)
     

Preço do petróleo despenca mais de 5% com pressão de dados da China

Bomba de petróleo na Bacia do Permian em Loving County, Texas, EUA

Por Rowena Edwards

LONDRES (Reuters) - Os preços do petróleo caíam mais de 5 dólares o barril nesta segunda-feira devido a temores de demanda, já que dados econômicos decepcionantes da China renovaram as preocupações com uma recessão global.

Os futuros de petróleo Brent recuavam 5,19 dólares, ou 5,29%, para 92,96 dólares o barril às 10h08 (horário de Brasília), depois de perder 1,5% na sexta-feira.

Já o petróleo dos EUA (WTI) perdia 5,01 dólares, ou 5,44%, para 87,08 dólares, após cair 2,4% na sessão anterior.

Os contratos em aberto de petróleo Brent este mês caíram 20% em relação a agosto do ano passado.

"O contrato em aberto ainda está caindo, com alguns (players do mercado) não interessados em tocá-lo por causa da volatilidade. Essa é, na minha opinião, a razão que resulta em volumes mais altos para o lado negativo", disse o analista de petróleo do UBS Giovanni Staunovo, acrescentando que o gatilho para a queda na segunda-feira foram os dados chineses fracos.

Na China, maior importador de petróleo do mundo, o banco central cortou as taxas de empréstimo para reviver a demanda, já que dados mostraram a economia desacelerando inesperadamente em julho, com a atividade fabril e de varejo pressionada pela política de zero Covid de Pequim e uma crise imobiliária.

A produção de refinarias da China caiu para 12,53 milhões de barris por dia (bpd), o menor nível desde março de 2020, mostraram dados do governo.

(Reportagem de Rowena Edwards; reportagem adicional de Florence Tan em Cingapura)