Mercado fechará em 22 mins
  • BOVESPA

    100.837,23
    +297,40 (+0,30%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    38.781,59
    +579,78 (+1,52%)
     
  • PETROLEO CRU

    40,01
    -1,69 (-4,05%)
     
  • OURO

    1.929,00
    +13,60 (+0,71%)
     
  • BTC-USD

    12.763,72
    +1.706,71 (+15,44%)
     
  • CMC Crypto 200

    255,89
    +11,00 (+4,49%)
     
  • S&P500

    3.453,15
    +10,03 (+0,29%)
     
  • DOW JONES

    28.331,32
    +22,53 (+0,08%)
     
  • FTSE

    5.776,50
    -112,72 (-1,91%)
     
  • HANG SENG

    24.754,42
    +184,88 (+0,75%)
     
  • NIKKEI

    23.639,46
    +72,42 (+0,31%)
     
  • NASDAQ

    11.722,00
    +61,25 (+0,53%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,6435
    +0,0171 (+0,26%)
     

Preço do petróleo cai de novo e fecha no menor patamar desde junho

NICOLA PAMPLONA
·3 minutos de leitura

RIO DE JANEIRO, RJ (FOLHAPRESS) - O preço do petróleo despencou pelo segundo dia consecutivo, com temores sobre excesso de oferta e o anúncio de que o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, está com Covid-19. Após a sequência de quedas, as cotações atingiram os menores patamares desde junho. Analistas dizem, porém, que o mercado está volátil e a queda atual pode não representar uma tendência. Por enquanto, o consumidor não deve esperar também cortes no preço da gasolina, já que o dólar, também usado pela Petrobras em sua política de preços, vem em alta. Nesta sexta (2), o barril do Brent, referência internacional negociada em Londres, fechou em US$ 39,27 por barril, queda de 4,06%. Foi o primeiro fechamento abaixo de US$ 40 desde junho. Na semana, a queda acumulada é de 6,3%. Já o barril WTI, negociado em Nova York, caiu 4,31%, para US$ 37,05. Para analistas, o cenário reflete dificuldades na retomada da demanda, diante dos riscos de novas ondas de contaminação pelo coronavírus, e o corte abaixo do esperado na produção de países da Opep (Organização dos Países Exportadores de Petróleo), que acordaram reduzir os volumes em abril. Além disso, a notícia da contaminação de Trump e da primeira-dama americana Melania levantaram temores sobre um foco de Covid-19 na Casa Branca, em meio a dificuldades para controlar a pandemia no país. "Tem sido uma semana difícil e agora o diagnóstico do presidente estremece os mercados", disse à Reuters John Kilduff, sócio na Again Capital. "A pandemia de Covid-19 tem pesado mais sobre o mercado de petróleo do que sobre qualquer outro tipo de altivo." Para a Abicom (Associação Brasileira das Importadoras de Combustíveis), mesmo com a queda lá fora, os preços aqui no Brasil continuam em linha com o mercado internacional, diante da cotação do dólar. No caso do diesel, diz a entidade, o preço interno está R$ 0,03 acima do mercado internacional. Na quarta (30), a Petrobras elevou os preços da gasolina e do diesel, em 5% e 3%, respectivamente, considerando a desvalorização do real ante o dólar. A política de preços da estatal considera a cotação do petróleo, o câmbio e os custos para importar os produtos. A Guide Investimentos destacou em relatório que a queda nas cotações levou a empresa a um dos piores desempenhos da bolsa nesta sexta, ofuscando o resultado de julgamento do STF (Supremo Tribunal Federal), que no dia anterior liberou a empresa para vender refinarias sem aval do Congresso. Nesta sexta, a ANP (Agência Nacional do Petróleo, Gás e Biocombustíveis) informou que a produção de petróleo no pré-sal bateu recorde pelo segundo mês consecutivo, atingindo a marca de 2,776 milhões de barris de petróleo e gpas por dia. Foram 2,201 milhões de barris de petróleo e 91,398 milhões de metros cúbicos de gás natural, em média, por dia. Considerando campos fora do pré-sal, a produção nacional foi de 3,927 milhões de barris de óleo e gás por dia, 3,087 milhões de barris de petróleo e 134 milhões de metros cúbicos de gás natural.