Mercado fechado
  • BOVESPA

    100.807,38
    -452,37 (-0,45%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    38.261,95
    -445,77 (-1,15%)
     
  • PETROLEO CRU

    38,56
    -1,29 (-3,24%)
     
  • OURO

    1.904,90
    -0,30 (-0,02%)
     
  • BTC-USD

    13.027,60
    -122,42 (-0,93%)
     
  • CMC Crypto 200

    259,70
    -3,72 (-1,41%)
     
  • S&P500

    3.400,97
    -64,42 (-1,86%)
     
  • DOW JONES

    27.685,38
    -650,19 (-2,29%)
     
  • FTSE

    5.792,01
    -68,27 (-1,16%)
     
  • HANG SENG

    24.918,78
    +132,68 (+0,54%)
     
  • NIKKEI

    23.494,34
    -22,25 (-0,09%)
     
  • NASDAQ

    11.505,50
    -158,00 (-1,35%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,6313
    -0,0326 (-0,49%)
     

Preço médio da gasolina nos postos do Brasil sobe pelo 4º mês em setembro, diz ValeCard

·1 minuto de leitura
Posto de combustíveis no Rio de Janeiro (RJ)
Posto de combustíveis no Rio de Janeiro (RJ)

SÃO PAULO (Reuters) - O preço médio da gasolina nos postos de combustíveis do Brasil avançou 1,97% em setembro ante o mês anterior, engatando o quarto mês consecutivo de altas, disse nesta quinta-feira a empresa de soluções de gestão de frotas ValeCard.

Segundo levantamento da companhia, o valor médio do combustível nas bombas atingiu 4,556 reais por litro, acumulando alta de 13,6% desde maio.

"O valor, que registrou queda entre janeiro e maio, já havia subido em junho, julho e agosto e voltou a aumentar em setembro", disse em nota a ValeCard, que monitora as transações realizadas com seu cartão de abastecimento em cerca de 20 mil estabelecimentos credenciados.

Nos primeiros meses do ano, o consumo de combustíveis foi fortemente afetado pela pandemia de coronavírus, com as medidas de isolamento social contribuindo para a queda dos preços. Em maio, auge do recuo, a ValeCard apurava o valor médio da gasolina em 4,01 reais por litro.

Apesar das quatro altas mensais seguidas, o preço médio ainda é inferior ao registrado no início do ano. Em janeiro, de acordo com a pesquisa da empresa, o litro do combustível custava em média 4,762 reais no Brasil.

No decorrer de setembro, a Petrobras alterou os preços da gasolina em suas refinarias em cinco ocasiões, com três quedas e duas altas --no total, o valor praticado ao final do mês era cerca de 4% inferior ao visto no início de setembro.

No entanto, o repasse dos reajustes nas refinarias aos consumidores finais nos postos não é garantido, e depende de uma série de questões, como margem da distribuição e revenda, impostos e adição obrigatória de etanol anidro e biodiesel.

(Por Gabriel Araujo)