Mercado abrirá em 2 h 15 min
  • BOVESPA

    117.380,49
    -948,51 (-0,80%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    45.126,51
    +442,96 (+0,99%)
     
  • PETROLEO CRU

    52,92
    +0,15 (+0,28%)
     
  • OURO

    1.851,90
    -3,30 (-0,18%)
     
  • BTC-USD

    31.746,84
    -621,45 (-1,92%)
     
  • CMC Crypto 200

    640,97
    -35,93 (-5,31%)
     
  • S&P500

    3.855,36
    +13,89 (+0,36%)
     
  • DOW JONES

    30.960,00
    -36,98 (-0,12%)
     
  • FTSE

    6.687,53
    +48,68 (+0,73%)
     
  • HANG SENG

    29.391,26
    -767,75 (-2,55%)
     
  • NIKKEI

    28.546,18
    -276,11 (-0,96%)
     
  • NASDAQ

    13.443,25
    -32,25 (-0,24%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,6920
    +0,0558 (+0,84%)
     

Preço médio da gasolina nos postos do Brasil sobe pelo 7º mês, diz ValeCard

·1 minuto de leitura

RIO DE JANEIRO (Reuters) - O preço médio da gasolina comum vendida em postos no Brasil subiu 1,83% em dezembro na comparação com o mês anterior, na sétima alta mensal consecutiva, para 4,714 reais por litro, mesmo patamar de dezembro de 2019, disse nesta segunda-feira a empresa de soluções de gestão de frotas ValeCard.

Segundo levantamento da companhia, o valor médio do combustível nas bombas --que havia caído nos primeiros cinco meses do ano-- acumulou alta de 17,55% em relação a maio.

A demanda por combustíveis em 2020 foi fortemente afetada por medidas de isolamento social anunciadas por governos estaduais e prefeituras a partir de março como forma de combate ao novo coronavírus, o que contribuiu para uma queda dos preços.

Em maio, auge do recuo nas cotações, em meio a quarentenas que reduziram o uso de combustíveis, a ValeCard apurava o valor médio da gasolina em 4,01 reais por litro nas bombas.

Ao longo do último mês, a Petrobras elevou o preço da gasolina nas refinarias em duas ocasiões. Ao longo de todo ano de 2020, no entanto, o preço de venda do combustível às distribuidoras ainda acumulou uma queda de 4,1%, segundo a estatal.

O repasse dos reajustes nas refinarias aos consumidores finais nos postos não é garantido, e depende de uma série de questões, como margem da distribuição e revenda, impostos e adição obrigatória de etanol anidro na gasolina.

Em dezembro, conforme a ValeCard, as maiores altas de preços nos postos do país foram registradas no Amazonas (4,61%) e em Pernambuco (3,65%). Por outro lado, São Paulo (0,85%) e Goiás (0,92%) foram os Estados onde ocorreram as menores variações no valor do combustível no período.

(Por Marta Nogueira)