Mercado abrirá em 3 h 19 min
  • BOVESPA

    107.249,04
    -1.819,51 (-1,67%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.078,70
    +352,74 (+0,70%)
     
  • PETROLEO CRU

    71,69
    +0,23 (+0,32%)
     
  • OURO

    1.803,20
    +1,70 (+0,09%)
     
  • BTC-USD

    17.211,57
    +379,79 (+2,26%)
     
  • CMC Crypto 200

    405,88
    +11,20 (+2,84%)
     
  • S&P500

    3.963,51
    +29,59 (+0,75%)
     
  • DOW JONES

    33.781,48
    +183,56 (+0,55%)
     
  • FTSE

    7.458,79
    -13,38 (-0,18%)
     
  • HANG SENG

    19.900,87
    +450,64 (+2,32%)
     
  • NIKKEI

    27.901,01
    +326,58 (+1,18%)
     
  • NASDAQ

    11.678,25
    +32,75 (+0,28%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,5314
    +0,0308 (+0,56%)
     

Preço médio do CBio ultrapassa 200 reais, diz Itaú BBA

FILE PHOTO: Cane fields are seen in Brazil's center-south main sugar belt in Ribeirao Preto

(Reuters) - Os preços médios dos créditos de descarbonização (CBios) atingiram o valor médio recorde de 202,62 reais na segunda quinzena de junho, segundo relatório do Itaú BBA e dados da B3.

A escalada dos preços dos créditos são um dos componentes de pressão sobre os preços dos combustíveis, uma vez que as distribuidoras são obrigadas a cumprir metas individuais de aquisição, no âmbito do programa RenovaBio.

O valor é quase o dobro do preço médio dos CBios no ano passado, de 114,60 reais.

Segundo a Itaú BBA, o volume de 15,12 milhões CBios emitidos até o fim do período totaliza 42% da meta estipulada pelo Conselho Nacional de Política Energética (CNPE) para 2022, de 36 milhões.

Já o volume de CBios aposentados chegou a 10,5% da meta. Se considerado o montante que está com as distribuidoras --que podem aposentá-los até 31 de dezembro para bater a meta de 2022-- a proporção sobe para 63%.

As distribuidoras podem revender os CBios antes de aposentá-los, se for vantajoso comercialmente, embora tenha metas anuais.

Segundo o Itaú BBA, na segunda quinzena foram negociados 8,13 milhões de títulos, volume duas vezes maior em relação ao da quinzena anterior.

(Por Rafaella Barros)