Mercado fechado
  • BOVESPA

    120.933,78
    -180,15 (-0,15%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    48.072,62
    -654,36 (-1,34%)
     
  • PETROLEO CRU

    63,48
    +0,35 (+0,55%)
     
  • OURO

    1.771,20
    +0,60 (+0,03%)
     
  • BTC-USD

    56.319,38
    +86,84 (+0,15%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.274,40
    -24,56 (-1,89%)
     
  • S&P500

    4.163,26
    -22,21 (-0,53%)
     
  • DOW JONES

    34.077,63
    -123,04 (-0,36%)
     
  • FTSE

    7.000,08
    -19,45 (-0,28%)
     
  • HANG SENG

    29.106,15
    +136,44 (+0,47%)
     
  • NIKKEI

    29.685,37
    +2,00 (+0,01%)
     
  • NASDAQ

    13.894,00
    -135,50 (-0,97%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,6759
    -0,0102 (-0,15%)
     

Preço do etanol no Brasil despenca diante de medidas restritivas, aponta Cepea

·2 minuto de leitura
Abastecimento de combustível no posto

(Reuters) - Os preços do etanol tiveram forte queda no principal mercado consumidor do Brasil durante a última semana, à medida que a adoção de medidas restritivas no combate à pandemia de coronavírus afeta a demanda, disse nesta segunda-feira o Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada (Cepea), ligado à Universidade de São Paulo.

O Cepea indicou em relatório semanal que os preços do etanol em São Paulo, maior mercado do combustível no país, recuaram 16% na semana passada.

"Essa baixa... foi a mais intensa de toda a temporada 2020/21 e esteve atrelada à redução acentuada da demanda", disse o centro, acrescentando que apenas alguns negócios foram concretizados ao longo da última semana e envolveram volumes pequenos, tendo em vista que distribuidoras seguiram trabalhando com o produto comprado anteriormente.

O governo do Estado de São Paulo decretou a fase emergencial, a mais restritiva do plano de contingência local, para combater o crescente número de casos de Covid-19, que tem deixado o sistema de saúde à beira do colapso.

A queda no preço do etanol reforça a expectativa de que as usinas brasileiras priorizem a produção de açúcar na nova temporada, que começa em abril, em detrimento do biocombustível --a exemplo do que ocorreu na safra anterior, quando o maior produtor global de açúcar fabricou um volume recorde do adoçante.

"Se o Brasil não conseguir controlar (ou não quiser controlar) o vírus, a economia vai sofrer e a demanda por gasolina/etanol também vai sofrer, obrigando as usinas a produzir o máximo possível de açúcar", disse um corretor baseado em Nova York.

Os contratos futuros do açúcar bruto atingiram uma mínima de três meses nesta segunda-feira, com a queda nos preços do etanol no Brasil sendo vista como uma das razões para o movimento de baixa no adoçante.

(Por Marcelo Teixeira)