Mercado fechará em 6 h 48 min
  • BOVESPA

    121.113,93
    +412,93 (+0,34%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    48.726,98
    +212,88 (+0,44%)
     
  • PETROLEO CRU

    63,36
    +0,23 (+0,36%)
     
  • OURO

    1.776,90
    -3,30 (-0,19%)
     
  • BTC-USD

    56.549,02
    +2.460,00 (+4,55%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.285,93
    -105,78 (-7,60%)
     
  • S&P500

    4.185,47
    +15,05 (+0,36%)
     
  • DOW JONES

    34.200,67
    +164,67 (+0,48%)
     
  • FTSE

    7.016,75
    -2,78 (-0,04%)
     
  • HANG SENG

    29.106,15
    +136,44 (+0,47%)
     
  • NIKKEI

    29.685,37
    +2,00 (+0,01%)
     
  • NASDAQ

    13.970,75
    -58,75 (-0,42%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,7266
    +0,0405 (+0,61%)
     

Preço do diesel segue em alta três semanas após isenção de impostos federais

NICOLA PAMPLONA
·3 minuto de leitura

RIO DE JANEIRO, RJ (FOLHAPRESS) - O preço do óleo diesel nos postos brasileiros permaneceu em alta na semana passada, mesmo após a isenção de impostos federais sobre o combustível. Também beneficiado com isenção tributária, o gás de botijão ficou estável em relação à semana anterior. De acordo com dados da ANP (Agência Nacional do Petróleo, Gás e Biocombustíveis), o litro do diesel foi vendido na semana passada por um preço médio de R$ 4,274, alta de 1% em relação à semana anterior e de 2,15% em quatro semanas. O patamar atual é superior ao verificado antes da greve dos caminhoneiros em 2018, considerando a correção pela inflação. É inferior apenas ao período mais crítico da paralisação, quando os preços nos postos estavam inflacionados pela falta de produto. No início do mês, o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) anunciou a isenção temporária dos impostos federais sobre o diesel, o que representa um desconto de R$ 0,30 por litro. Mas o benefício foi engolido pela elevação de outras parcelas do preço final, como o próprio diesel, o biodiesel e os impostos estaduais. Na mesma semana da isenção, o preço do diesel foi reajustado em R$ 0,15 por litro nas refinarias da Petrobras e o percentual obrigatório de biodiesel, mais caro, subiu de 12% para 13% da mistura vendida nos postos. No dia 15, 18 estados e o Distrito Federal elevaram o preço de referência para o cálculo do ICMS, colocando ainda mais pressão sobre o combustível. Os estados alegam que apenas seguem o valor de bomba do produto, mas alguns governadores decidiram não repassar a alta. A isenção dos impostos vale por 60 dias, enquanto o governo estuda uma alternativa para tentar suavizar o impacto das volatilidades internacionais sobre o preço dos combustíveis. Em 2021, a Petrobras já reajustou o diesel cinco vezes, com alta acumulada de 41%. A escalada reflete o aumento das cotações internacionais do petróleo e a depreciação do real frente ao dólar. Insatisfeito com os aumentos, Bolsonaro anunciou em fevereiro mudança no comando da Petrobras, substituindo Roberto Castello Branco pelo general Joaquim Silva e Luna. Também beneficiado com isenção de impostos no início do mês, o botijão de gás foi vendido na semana passada a um preço médio de R$ 83,18, estável em relação aos R$ 83,34 da semana anterior. Nesse caso, um erro na edição do decreto do governo represou os repasses nos primeiros dias de isenção. O decreto não especificava como seriam contabilizados os volumes retirados das refinarias para venda em botijões de 13 quilos, que são passíveis do benefício, e para venda em outros vasilhames. Sem conseguir fazer a separação nos primeiros dias, a Petrobras emitiu notas com o imposto. A situação foi contornada em um primeiro momento em acordo da Petrobras com as distribuidoras e, na semana passada, a Receita Federal emitiu resolução regulamentando o tema. Ainda assim, os revendedores dizem que o preço do botijão foi elevado em até R$ 3,07 antes da isenção, que é de R$ 2,18. De acordo com a ANP, a gasolina também permaneceu em alta na semana passada, com preço médio de R$ 5,592 por litro, 1,8% acima do praticado na semana anterior. Em 2021, o preço do produto nas refinarias foi elevado seis vezes, com alta acumulada de 54%, até o primeiro corte, de 5%, na sexta (19)