Mercado abrirá em 7 h 55 min
  • BOVESPA

    120.294,68
    +997,55 (+0,84%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    48.329,84
    +826,13 (+1,74%)
     
  • PETROLEO CRU

    63,04
    -0,11 (-0,17%)
     
  • OURO

    1.740,10
    +3,80 (+0,22%)
     
  • BTC-USD

    63.103,48
    -589,90 (-0,93%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.375,33
    -0,44 (-0,03%)
     
  • S&P500

    4.124,66
    -16,93 (-0,41%)
     
  • DOW JONES

    33.730,89
    +53,62 (+0,16%)
     
  • FTSE

    6.939,58
    +49,09 (+0,71%)
     
  • HANG SENG

    28.623,90
    -276,93 (-0,96%)
     
  • NIKKEI

    29.643,91
    +22,92 (+0,08%)
     
  • NASDAQ

    13.816,25
    +17,50 (+0,13%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,7693
    -0,0036 (-0,05%)
     

Preço de cesta da Páscoa sobe quase 30% em um ano

ISABELA BOLZANI
·4 minuto de leitura

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - A pressão nos preços dos alimentos vai pesar no bolso do consumidor na Páscoa neste ano. Segundo dados da FGV (Fundação Getulio Vargas), a inflação da chamada cesta de Páscoa -com os alimentos mais presentes no cardápio da ceia de domingo- saiu de 0,56% no acumulado de 12 meses até março do ano passado para 29,17% em igual período deste ano. A alta dos preços da cesta de Páscoa ficou bem acima do IPCA -que saiu de 3,44% nos 12 meses até março de 2020 para 5,74% na mesma relação neste ano. No total, 12 dos 14 itens presentes na cesta mostraram alta. Entre os destaques estão o arroz, que saiu de 9,63% na Páscoa do ano passado para uma alta de 60,79% neste ano. Outro exemplo é a cebola, que saiu de uma queda de 15,86% em 2020 para uma alta de 50,9% neste ano, e a batata-inglesa, que saiu de uma queda de 28,93% para um avanço de 27,82%. Os preços dos ovos e do bacalhau foram os únicos que desaceleram no período -mas que, ainda assim, representaram um aumento de preços. Os ovos saíram de uma alta de 17,38% para 12,05%, enquanto o bacalhau saiu de 13,35% para 7,28%. Segundo o economista e coordenador do IPC (Índice de Preços ao Consumidor) da FGV, André Braz, a chegada da pandemia trouxe diferentes fatores que contribuíram para o aumento no preço dos alimentos. "Com a variação cambial, por exemplo, produtos importados como vinho e azeite ficam mais caros. Outra coisa que também influenciou foi a pequena safra de arroz no ano passado diante do aumento da demanda", afirmou. A disparada nos preços do arroz vem desde o ano passado e é resultado do que os produtores chamam de "tempestade perfeita". Além do aumento das exportações em 2020, a maior busca do brasileiro por arroz -que passou a comer mais em casa durante a pandemia do coronavírus- também dificulta o equilíbrio na relação entre oferta e demanda. Outro movimento que também pode influenciar no aumento dos preços é a mudança de hábito de compra em supermercados. Por conta do isolamento social, o brasileiro deixou de fazer compras semanais ou quinzenais e passou a fazer compras mensais -comprando também um maior volume de produtos a cada ida ao mercado. "Outra diferença gritante é que na Páscoa do ano passado muitas famílias ainda não tinham sido afetadas pelo desemprego e restrição de venda como neste ano", afirmou Braz. Para ele, nem mesmo usando a criatividade e substituindo alguns produtos na ceia de domingo o consumidor vai conseguir fugir da inflação de Páscoa. "A melhor solução é comprar produtos que não sejam de marcas líderes ou até comprar com antecedência e não deixar para a última hora. O fato é que não vai dar para fugir. Tudo ficou mais caro", afirma Braz. Indústria de chocolates produziu 757 mil toneladas em 2020 O último levantamento da Abicab (Associação Brasileira da Indústria de Chocolates, Amendoim e Balas) e da KPMG apontou que o setor produziu 757 mil toneladas de chocolates em 2020, volume praticamente estável (0,05%) em relação ao ano anterior. Ao todo, o Brasil exportou 29,6 mil toneladas chocolates para 145 países -saldo 3,7% superior em comparação a 2019 e que corresponde a um valor total de US$ 100,6 milhões (R$ 579,9 milhões). Os principais destinos foram Argentina, Paraguai e Uruguai. Para as importações o volume foi de 16 mil toneladas, representando um valor de US$ 114,2 milhões (R$ 658,3 milhões). Para a Páscoa deste ano o setor chocolateiro afirma estar mais preparado depois do baque de 2020, quando foram pegos de surpresa pela pandemia. Remodelado para o novo normal, o segmento promete produtos para todas as faixas de preço e uma área de vendas bem mais preparada para a internet. O presidente da Abicab, Ubiracy Fonsêca, já havia afirmado à Folha que parte da preparação veio na antecipação das compras com fornecedores e da entrega dos produtos aos pontos de venda. "Nos planejamos e fizemos todo um trabalho de investimento nos canais de distribuição, aplicativos, online, marketplaces, drive-thru e WhatsApp, por exemplo. Além disso, como não tivemos Carnaval, conversamos com os supermercados para que aceitassem receber os ovos antes da data tradicional", afirmou. Em 2020 o setor produziu cerca de 8,5 mil toneladas de ovos e produtos de Páscoa. Segundo a associação, os números de 2021 ainda não estão consolidados, uma vez que as indústrias seguem em processo de produção. O setor chocolateiro ainda prevê 11.665 contratações temporárias para atender à demanda do período neste ano, um aumento de 4,8% em relação a 2020.