Mercado fechado
  • BOVESPA

    109.114,16
    -2.601,84 (-2,33%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    44.808,56
    -587,38 (-1,29%)
     
  • PETROLEO CRU

    77,08
    +0,37 (+0,48%)
     
  • OURO

    1.638,50
    +5,10 (+0,31%)
     
  • BTC-USD

    19.557,83
    +745,74 (+3,96%)
     
  • CMC Crypto 200

    448,72
    +15,62 (+3,61%)
     
  • S&P500

    3.655,04
    -38,19 (-1,03%)
     
  • DOW JONES

    29.260,81
    -329,60 (-1,11%)
     
  • FTSE

    7.020,95
    +2,35 (+0,03%)
     
  • HANG SENG

    17.855,14
    0,00 (0,00%)
     
  • NIKKEI

    26.658,82
    +227,27 (+0,86%)
     
  • NASDAQ

    11.397,00
    +80,75 (+0,71%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,1666
    -0,0128 (-0,25%)
     

Preço cai com temores sobre demanda

Barris de petróleo em miniatura 3D

Por Laila Kearney

NOVA YORK (Reuters) - Os preços do petróleo caíram nesta terça-feira, com o retorno da preocupação com a perspectiva de mais aumentos nas taxas de juros e bloqueios contra a Covid-19 enfraquecendo a demanda por combustível, revertendo um rali de dois dias após o primeiro corte da meta de produção da Opep+ desde 2020.

O petróleo Brent fechou em 92,83 dólares o barril, perdendo 2,91 dólares, ou 3%.

"As notícias da Opep+ estão agora no mercado e o foco mudou temporariamente para preocupações econômicas e inflacionárias, entre as quais os dois fatores relevantes são os bloqueios prolongados contra a Covid na China e a decisão da taxa do BCE na quinta-feira", disse Tamas Varga, da corretora de petróleo PVM.

A China aliviou algumas restrições contra a Covid, mas estendeu os bloqueios em Chengdu, o que aumentou as preocupações de que a alta inflação e os aumentos das taxas de juros afetariam a demanda por petróleo. Espera-se amplamente que o Banco Central Europeu eleve as taxas de forma acentuada quando se reunir na quinta-feira.

Um dólar mais forte, que subiu cerca de 0,6% por dados melhores do que o esperado da indústria de serviços dos EUA, também pressionou os preços do petróleo.

Do lado da oferta, os sinais de que um pacto para ressuscitar o acordo nuclear do Irã com as potências mundiais era menos iminente desafiaram os preços do petróleo, reduzindo as chances de que a Opep+ avance com seu plano de redução de produção, disse Bob Yawger, diretor de futuros de energia da Mizuho.

(Reportagem de Laila Kearney; com reportagem adicional de Alex Lawler em Londres, Sonali Paul em Melbourne e Isabel Kua em Cingapura)