Mercado abrirá em 2 h 2 min
  • BOVESPA

    109.068,55
    -1.120,02 (-1,02%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.725,96
    -294,69 (-0,58%)
     
  • PETROLEO CRU

    72,76
    +0,75 (+1,04%)
     
  • OURO

    1.794,40
    -3,60 (-0,20%)
     
  • BTC-USD

    16.814,51
    -16,32 (-0,10%)
     
  • CMC Crypto 200

    394,75
    -7,29 (-1,81%)
     
  • S&P500

    3.933,92
    -7,34 (-0,19%)
     
  • DOW JONES

    33.597,92
    +1,58 (+0,00%)
     
  • FTSE

    7.490,12
    +0,93 (+0,01%)
     
  • HANG SENG

    19.450,23
    +635,41 (+3,38%)
     
  • NIKKEI

    27.574,43
    -111,97 (-0,40%)
     
  • NASDAQ

    11.527,25
    +17,75 (+0,15%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,4745
    +0,0081 (+0,15%)
     

Prato feito pode variar entre R$ 10 e R$ 56, mostra pesquisa

Proteste analisou 246 estabelecimentos em quatro capitais (Getty Image)
Proteste analisou 246 estabelecimentos em quatro capitais (Getty Image)
  • O custo do 'prato feito' pode variar até 460% na mesma cidade

  • Levantamento mostrou a diferença de valores em quatro capitais

  • Salvador é o local com a maior diferença de preços

Arroz, feijão, saladinha e uma mistura. Essa é a composição do famoso 'prato feito', serviço em restaurantes, lanchonetes e botecos de todo país. Ele é uma das principais refeições dos brasileiros.

Apesar da composição simples, o preço pode variar bruscamente de acordo com cada estabelecimento que oferece a solução culinária. Uma pesquisa feita pela Associação Brasileira de Defesa do Consumidor (Proteste) aponta que o PF pode variar entre R$ 10 e R$ 56.

Ao analisar 246 estabelecimentos em quatro capitais, Rio de Janeiro (RJ), São Paulo (SP), Salvador (BA) e Porto Alegre (RS), o levantamento identificou grandes diferenças nos valores cobrados.

A Bahia é o local com maior discrepância. No estado, a diferença entre o que é cobrado nos restaurantes pode chegar a 460%, foi vista em Salvador, onde foi encontrados pratos entre R$ 10 e R$ 56. Já no Rio de Janeiro, foi registrada uma variação de 380%, com preços que vão de R$ 10 a R$ 48.

Em o Porto Alegre, o almoço mais barato era vendido a R$ 15, enquanto o mais caro a R$ 48, o que representa uma variação de 220%, enquanto em São Paulo a refeição é vendida por uma faixa de R$ 13 a R$ 29,99, variação de 131%.

“Se multiplicarmos essa diferença por dias úteis do mês (22 dias em média para o ano de 2022), nos quais, normalmente, as pessoas fazem refeições fora de casa, ela chega a R$ 373,78 em São Paulo e R$ 1.012 em Salvador. Nessa lógica, em um ano, a economia em São Paulo é de até R$ 4.111,58 e na Bahia, R$ 11.132, considerando 11 meses, visto que o trabalhador tem um mês de férias no ano”, diz a Proteste.