Mercado abrirá em 50 mins
  • BOVESPA

    119.564,44
    +1.852,44 (+1,57%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    48.399,80
    +71,60 (+0,15%)
     
  • PETROLEO CRU

    65,24
    -0,39 (-0,59%)
     
  • OURO

    1.794,00
    +9,70 (+0,54%)
     
  • BTC-USD

    57.958,60
    +2.691,67 (+4,87%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.487,81
    +82,50 (+5,87%)
     
  • S&P500

    4.167,59
    +2,93 (+0,07%)
     
  • DOW JONES

    34.230,34
    +97,34 (+0,29%)
     
  • FTSE

    7.047,50
    +8,20 (+0,12%)
     
  • HANG SENG

    28.637,46
    +219,46 (+0,77%)
     
  • NIKKEI

    29.331,37
    +518,77 (+1,80%)
     
  • NASDAQ

    13.509,00
    +18,00 (+0,13%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,4367
    +0,0098 (+0,15%)
     

Próximo leilão da cessão onerosa ofertará reservas por quase US$2 bi, diz CNPE

·2 minuto de leitura
Exploração de petróleo no litoral do Rio de Janeiro

RIO DE JANEIRO (Reuters) - O próximo leilão dos excedentes da cessão onerosa vai ofertar volumes de petróleo e gás da área de Sépia, no pré-sal da Bacia de Santos, por um bônus de assinatura de 1,25 bilhão de dólares (7,138 bilhões de reais), e alíquota de óleo-lucro de 15,02%, conforme aprovou nesta terça-feira o Conselho Nacional de Política Energética (CNPE).

Já volumes de Atapu serão ofertados por bônus de assinatura de 700 milhões de dólares (4 bilhões de reais), e alíquota de óleo-lucro de 5,89%, informou o CNPE em nota.

O CNPE disse ainda que a realização do leilão deverá ocorrer em dezembro, atraso de um mês ante a previsão anterior.

As áreas de Sépia e Atapu haviam sido ofertadas em um leilão anterior, em 2019, mas não receberam ofertas.

Na época, Sépia foi ofertada com bônus de assinatura fixo de 22,9 bilhões de reais, e percentual mínimo de excedente em óleo de 27,88%. Já Atapu foi ofertada por 13,7 bilhões de reais em bônus de assinatura e percentual mínimo de excedente em óleo de 26,23%.

Conforme a legislação em vigor, a Petrobras deverá manifestar o seu direito de preferência no leilão, em até 30 dias, após a publicação de resolução do CNPE.

Além de parâmetros para o leilão do pré-sal, o CNPE propôs a elaboração de diretrizes para o Programa Nacional do Hidrogênio, com o objetivo de inseri-lo na matriz energética.

Segundo o Ministério de Minas e Energia, para a consolidação da economia do hidrogênio, pressupõe-se o desenvolvimento de uma infraestrutura de produção, armazenamento, transporte e distribuição do hidrogênio, pelo lado da oferta, bem como a inserção do energético na matriz de consumo em setores-chaves, como transportes, siderurgia e de fertilizantes.

"Para fazer frente a esse desafio, são necessárias novas normas de segurança, novos desenhos regulatórios e todo um arcabouço que permita ao hidrogênio alcançar níveis de competitividade que abram caminho para o uso em grande escala", disse o ministério.

(Por Marta Nogueira)