Mercado fechado
  • BOVESPA

    121.113,93
    +413,26 (+0,34%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    48.726,98
    +212,88 (+0,44%)
     
  • PETROLEO CRU

    63,07
    -0,39 (-0,61%)
     
  • OURO

    1.777,30
    +10,50 (+0,59%)
     
  • BTC-USD

    60.913,14
    -70,22 (-0,12%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.398,97
    +7,26 (+0,52%)
     
  • S&P500

    4.185,47
    +15,05 (+0,36%)
     
  • DOW JONES

    34.200,67
    +164,68 (+0,48%)
     
  • FTSE

    7.019,53
    +36,03 (+0,52%)
     
  • HANG SENG

    28.969,71
    +176,57 (+0,61%)
     
  • NIKKEI

    29.683,37
    +40,68 (+0,14%)
     
  • NASDAQ

    14.024,00
    +10,00 (+0,07%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,6872
    -0,0339 (-0,50%)
     

Próximas duas semanas serão as mais duras e graves, diz Doria

·2 minuto de leitura
***ARQUIVO***BRASILIA, DF, 21.10.2020: O governador de São Paulo, João Doria (PSDB). (Foto: Pedro Ladeira/Folhapress)
***ARQUIVO***BRASILIA, DF, 21.10.2020: O governador de São Paulo, João Doria (PSDB). (Foto: Pedro Ladeira/Folhapress)

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - O governador João Doria (PSDB) disse que as próximas duas semanas serão as mais duras e graves para todos os estados brasileiros desde o início da pandemia. Ele não descartou a possibilidade de decretar lockdown em São Paulo.

Os números de mortes e internações em São Paulo indicam que o estado passa pelo pior momento da pandemia de Covid-19. Outros estados também vivem pico de mortes pelo vírus.

"Teremos as duas semanas mais duras e graves da pandemia desde 26 de fevereiro do ano passado. Serão as semanas mais trágicas e mais difíceis para todos os estados brasileiros", disse o governador em entrevista ao canal do YouTube My News, na noite desta segunda (1º).

Questionado sobre a possibilidade de adotar lockdown no estado, Doria disse que o Centro de Contingência de São Paulo está analisando as ações e que seguirá a decisão da maioria dos especialistas.

"Os próximos dias serão cruciais para entender quais medidas precisamos. Se eles entenderem que é necessário ter medidas mais restritivas, eu não tenho nenhum temor de fazer isso", disse o governador.

Ele ainda afirmou que a piora da pandemia nas últimas semanas é um reflexo das aglomerações que ocorreram durante o Carnaval, ainda que o feriado tenha sido suspenso no estado. "Os dois grandes impulsos da pandemia ocorreram depois das festas de Ano-Novo e Carnaval, que disseminaram o vírus de maneira muito mais rápida."

A maioria das regiões do estado estão nas fases laranja e vermelha, as duas mais restritivas do Plano São Paulo. Apenas Araçatuba, Baixada Santista e Piracicaba estão na fase amarela.

Apesar do alerta de que a situação deve se agravar nos próximos dias, o governo Doria tem evitado adotar medidas mais duras.

O governador optou por colocar o estado em uma medida chamada toque de restrição das 23h às 5h. A regra passou a valer na sexta (26) e segue até 14 de março. Na prática, a medida tenta coibir, com fiscalização, aglomerações de grande porte.

Na terça (23), o Centro de Contingência discutiu a possibilidade de um lockdown estendido pelo estado, inclusive durante o dia, o que foi rejeitado pela maioria na ocasião.

Apesar da resistência a medidas mais restritivas, Doria disse que poderá adotá-las. "Teremos uma nova reunião do Centro de Contingência amanhã [terça, 2] e seguiremos a orientação que determinarem. Não há pressão política, econômica, institucional ou de vizinhos que nos impeça."

São Paulo está desde a semana passada com recorde de internação em UTI pela doença. O número de internações da última semana foi 14,7% maior do que na semana mais grave da pandemia em 2020, em julho.

Com a piora, o governo sinalizou que deve reativar hospitais de campanha, com foco em leitos de UTI que serão instalados em unidades de saúde já existentes. O anúncio oficial deve ser feito nesta quarta (3).