Mercado fechará em 6 h 11 min
  • BOVESPA

    98.196,60
    -345,35 (-0,35%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    47.524,45
    0,00 (0,00%)
     
  • PETROLEO CRU

    108,10
    +2,34 (+2,21%)
     
  • OURO

    1.797,50
    -9,80 (-0,54%)
     
  • BTC-USD

    19.488,51
    +571,71 (+3,02%)
     
  • CMC Crypto 200

    419,07
    -1,07 (-0,26%)
     
  • S&P500

    3.806,99
    +21,61 (+0,57%)
     
  • DOW JONES

    30.938,88
    +163,45 (+0,53%)
     
  • FTSE

    7.178,47
    +9,19 (+0,13%)
     
  • HANG SENG

    21.859,79
    -137,10 (-0,62%)
     
  • NIKKEI

    25.935,62
    -457,42 (-1,73%)
     
  • NASDAQ

    11.436,75
    -92,75 (-0,80%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,5366
    +0,0310 (+0,56%)
     

Príncipe saudita vende US$ 1,5 bi em ações da Kingdom Holding ao fundo soberano

Por Yousef Saba

DUBAI (Reuters) - O bilionário saudita, príncipe Alwaleed bin Talal, assinou um acordo com o poderoso fundo soberano da Arábia Saudita para vender 16,87% de sua firma de investimentos, Kingdom Holding, ao fundo, afirmou a empresa neste domingo.

O fundo de investimento público da Arábia Saudita (PIF, na sigla em inglês) comprará 625 milhões de ações, por 9,09 riais (2,42 dólares) por ação, afirmou a Kingdom Holding em um documento da bolsa de valores, chegando a um total de 5,68 bilhões de riais (1,51 bilhão de dólares).

O preço dos papéis no acordo ficou no patamar em que a ação fechou na quinta-feira, o seu menor nível em um ano. Ele recuperou 8,8%, para 9,89 riais, às 05h02 (horário de Brasília) deste domingo.

O príncipe Alwaleed esteve envolvido em uma campanha anticorrupção ordenada pelo príncipe herdeiro em 2018. Ele foi detido por cerca de três meses no Ritz-Carlton de Riyadh, junto com outras dezenas de membros da família real, autoridades seniores e empresários.

Em março de 2018, ele afirmou que chegou a um acordo “confidencial e secreto” com o governo saudita. A maioria dos detidos foi liberada após fechar acordos financeiros que renderam pouco mais de 100 bilhões de dólares ao Estado, disse o procurador-geral naquela época, sem dar mais detalhes.

O PIF não respondeu imediatamente aos pedidos de comentários enviados por e-mail.

(Reportagem de Yousef Saba)

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos