Mercado abrirá em 8 h 54 min
  • BOVESPA

    112.611,65
    +1.322,47 (+1,19%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.466,02
    -571,03 (-1,12%)
     
  • PETROLEO CRU

    87,17
    +0,56 (+0,65%)
     
  • OURO

    1.797,50
    +4,40 (+0,25%)
     
  • BTC-USD

    36.976,71
    +907,12 (+2,51%)
     
  • CMC Crypto 200

    836,43
    +16,93 (+2,07%)
     
  • S&P500

    4.326,51
    -23,42 (-0,54%)
     
  • DOW JONES

    34.160,78
    -7,31 (-0,02%)
     
  • FTSE

    7.554,31
    +84,53 (+1,13%)
     
  • HANG SENG

    23.646,57
    -160,43 (-0,67%)
     
  • NIKKEI

    26.720,06
    +549,76 (+2,10%)
     
  • NASDAQ

    14.169,75
    +183,00 (+1,31%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,0554
    +0,0314 (+0,52%)
     

Prêmio de risco elevado e volatilidade vão marcar 2022 no Brasil, diz economista do BV

·2 min de leitura
Sede B3

SÃO PAULO (Reuters) - As discussões sobre os juros nos Estados Unidos e a eleição presidencial no Brasil devem ditar o ritmo econômico e financeiro no cenário local, com mais três riscos potenciais no radar que devem manter elevados os prêmios e a volatilidade dos preços dos ativos, de acordo com o economista-chefe do banco BV, Roberto Padovani.

"Está claro que a compra de títulos (nos EUA) vai diminuir, injetando menos liquidez. O segundo passo é discutir a alta de juros, e o segundo semestre será dominado por (discussão de) alta de juros", disse Padovani a jornalistas.

Depois de confirmar a redução das compras de títulos adotadas para combater os efeitos da pandemia, o Federal Reserve (Fed, banco central norte-americano) agora já fala em acelerar esse processo --o que sugere enxugamento mais rápido de liquidez no país. A discussão na sequência é sobre o momento em que os juros começarão a ser elevados.

Já a dinâmica eleitoral no Brasil será marcada, segundo Padovani, por duas características --uma disputa presidencial competitiva e debate sobre a agenda econômica.

"A consequência de um cenário de mudança na liquidez global com eleição no Brasil implica prêmios de risco elevados, e com muita volatilidade", alertou ele.

Mas outros riscos vêm se somando a esses dois. Primeiro, ele destaca o crescimento econômico brasileiro, com um cenário de fraqueza que causa preocupação --o BV calcula expansão de apenas 0,8% em 2022.

O setor fiscal também permanece no radar, dada a pressão para gastos públicos maiores diante de um ambiente de inflação e desemprego elevados, ampliando as dúvidas sobre a trajetória da dívida pública.

"A dinâmica de dívida, que está em aberto, aumenta ainda mais a incerteza", disse Padovani.

Por fim, o terceiro elemento de alerta continua sendo a pandemia, principalmente depois da descoberta da nova variante Ômicron.

"O fato concreto é que tem economias fechando, e isso reforça a sensação de que o mundo pode crescer mesmo. Se o mundo cresce menos, a gente exporta menos e também cresce menos, e as pressões políticas aumentam", completou.

(Por Camila Moreira)

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos