Mercado fechado
  • BOVESPA

    102.426,00
    -522,45 (-0,51%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.831,95
    -213,15 (-0,42%)
     
  • OURO

    1.861,20
    -0,20 (-0,01%)
     
  • BTC-USD

    54.663,02
    +1.037,80 (+1,94%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.402,14
    -65,80 (-4,48%)
     
  • S&P500

    4.704,54
    +15,87 (+0,34%)
     
  • DOW JONES

    35.870,95
    -60,10 (-0,17%)
     
  • FTSE

    7.255,96
    -35,24 (-0,48%)
     
  • HANG SENG

    25.319,72
    -330,36 (-1,29%)
     
  • NIKKEI

    29.683,09
    +84,43 (+0,29%)
     
  • NASDAQ

    16.494,75
    +13,50 (+0,08%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3313
    +0,0125 (+0,20%)
     

Prévia do PIB confirma desaceleração.

·2 min de leitura

O Brasil já vinha registrando queda no IBC-BR (Índice de Atividade Econômica) no mês anterior, sendo que em setembro foi divulgado mais uma queda, agora de 0,27%.

Considerando o indicador divulgado pelo BC, a chance do PIB alcançar os 5% ainda em 2021 diminui.

Efeito do juro e da inflação pesa.

A inflação maior vai comprometer a renda dos brasileiros. Com isso, as pessoas estão consumindo menos e por conta disso, os produtos e a demanda como um todo cai.

Do outro lado o juro sobe. Com o aumento do juro, produtos que são mais caros, como é o caso de imóveis e veículos, se tornam praticamente impossíveis de serem adquiridos.

Sendo que, tanto os imóveis quanto os veículos já foram símbolos do progresso no Brasil. Portanto, as ferramentas para fazer a economia girar e crescer estão enfraquecidas no momento.

Juntando a tudo isso, ainda há os efeitos nocivos do exterior. O aumento dos combustíveis vem nos afetando diretamente, fato que só tem a potencializar ainda mais os efeitos da inflação.

O atual momento é difícil e pode ser ainda mais complicado em 2022. Se não bastasse a piora dos indicadores, existe a clara possibilidade do governo federal aumentar ainda mais seus gastos sem que haja compensações.

Fato que pode aumentar a dívida no mesmo período onde o juro cresce e encarece os encargos sobre a dívida.

Ouro volta a subir

Depois de um pouco de volatilidade, o ouro voltou a subir. O ouro OZ1D negociado na bolsa B3 fechou o dia cotado a R$ 326,10, com alta de 1,43%.

Já o USD/BRL registrou alta de 0,49%, alcançando a cotação de R$ 5,53. O índice Ibovespa teve queda de 1,39%.

Com mais uma queda do índice Ibovespa, as esperanças de ver o índice em um ponto mais alto ainda em 2021 estão terminando.

Há possibilidades do PIB não alcançar crescimento de 5% e para 2022, boa parte das expectativas são mostrar um PIB modesto, abaixo do 1%.

Fato que vem colaborando para o aumento do pessimismo com o contexto nacional. Ativos como é o caso do dólar e do ouro vem se mostrando atraentes.

Aqueles que não possuem posição em dólar e nem em ouro, precisam ficar de olho. Manter uma carteira em ativos de renda variável, em um momento como este, pode gerar volatilidade nos resultados como um todo. Por isso, para trazer um pouco mais de equilíbrio, o dólar e o ouro são boas opções.

Vale destacar que em 2021 o dólar vem registrando alta de 6,53% enquanto o ouro (OZ1D) está estável, com leve alta de 0,03%.

This article was originally posted on FX Empire

More From FXEMPIRE:

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos