Mercado fechado
  • BOVESPA

    113.282,67
    -781,69 (-0,69%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.105,71
    -358,56 (-0,70%)
     
  • PETROLEO CRU

    73,95
    +0,65 (+0,89%)
     
  • OURO

    1.750,60
    +0,80 (+0,05%)
     
  • BTC-USD

    42.732,98
    -1.756,99 (-3,95%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.067,20
    -35,86 (-3,25%)
     
  • S&P500

    4.455,48
    +6,50 (+0,15%)
     
  • DOW JONES

    34.798,00
    +33,18 (+0,10%)
     
  • FTSE

    7.051,48
    -26,87 (-0,38%)
     
  • HANG SENG

    24.192,16
    -318,82 (-1,30%)
     
  • NIKKEI

    30.248,81
    +609,41 (+2,06%)
     
  • NASDAQ

    15.319,00
    +15,50 (+0,10%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,2556
    +0,0306 (+0,49%)
     

Prévia da inflação sobe 0,89% em agosto, maior taxa para o mês desde 2002

·2 minuto de leitura
*ARQUIVO* São Paulo, SP, Brasil, 08-02-2019: Still Mercado. Calculadora cinentífica. (foto Gabriel Cabral/Folhapress)
*ARQUIVO* São Paulo, SP, Brasil, 08-02-2019: Still Mercado. Calculadora cinentífica. (foto Gabriel Cabral/Folhapress)

RIO DE JANEIRO, RJ (FOLHAPRESS) - A prévia da inflação oficial acelerou para 0,89% em agosto, apontam dados do IPCA-15 (Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo 15). Essa foi a maior variação para o mês desde 2002, quando o índice ficou em 1%. O resultado foi divulgado nesta quarta-feira (25) pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística).

Em julho, o IPCA-15 havia registrado variação de 0,72%, a maior para o sétimo mês do ano desde 2004.

O índice oficial de inflação do país é o IPCA (Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo), também calculado pelo IBGE. O IPCA-15, pelo fato de ser divulgado antes, sinaliza uma tendência para os preços. Por isso, é conhecido como uma prévia.

Com o resultado de agosto, o IPCA-15 chegou a 9,30% no acumulado de 12 meses. Ou seja, registra variação superior à meta de inflação perseguida pelo BC (Banco Central) para o IPCA.

O teto da meta em 2021 é de 5,25%. O centro é de 3,75%.

A escalada dos preços ganhou corpo ao longo da pandemia. Inicialmente, houve disparada de alimentos e, em seguida, avanço de combustíveis.

Alta do dólar, estoques menores e avanço das commodities ajudam a explicar a pressão sobre os preços.

Neste ano, a crise hídrica também passou a ameaçar o controle inflacionário. É que a escassez de chuva eleva os custos de geração de energia elétrica. O reflexo é a conta de luz mais cara nos lares dos brasileiros.

A seca, em conjunto com as recentes geadas, ainda afeta a produção agropecuária, pressionando preços até as gôndolas dos supermercados.

A situação ocorre no momento em que o consumo de bens e serviços é desafiado pelo aumento do desemprego.

Devido à escalada da inflação, analistas do mercado financeiro ouvidos pelo BC vêm subindo suas projeções para o IPCA deste ano.

A estimativa mais recente que aparece no boletim Focus indica avanço de 7,11% ao final de 2021. Ou seja, acima do teto da meta. A edição mais recente do Focus foi publicada pelo BC na segunda-feira (23).

Em uma tentativa de frear a inflação, o Copom (Comitê de Política Monetária do BC) passou a subir a taxa básica de juros, a Selic. No último dia 4, confirmou uma alta de 1 ponto percentual, que levou a Selic para 5,25% ao ano.

Os juros mais altos, por outro lado, podem frear os investimentos de empresas e o consumo das famílias.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos