Mercado abrirá em 7 h 21 min
  • BOVESPA

    122.964,01
    +1.054,98 (+0,87%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    49.655,29
    -211,86 (-0,42%)
     
  • PETROLEO CRU

    65,36
    +0,08 (+0,12%)
     
  • OURO

    1.830,50
    -5,60 (-0,30%)
     
  • BTC-USD

    57.434,19
    +2.555,45 (+4,66%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.555,18
    +1.312,50 (+540,84%)
     
  • S&P500

    4.152,10
    -36,33 (-0,87%)
     
  • DOW JONES

    34.269,16
    -473,66 (-1,36%)
     
  • FTSE

    6.947,99
    -175,69 (-2,47%)
     
  • HANG SENG

    28.023,72
    +9,91 (+0,04%)
     
  • NIKKEI

    28.180,47
    -428,12 (-1,50%)
     
  • NASDAQ

    13.268,25
    -77,75 (-0,58%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3332
    -0,0122 (-0,19%)
     

Prévia da inflação pelo IPCA-15 cai para 0,6% em abril

Ana Cristina Campos – Repórter da Agência Brasil
·3 minuto de leitura

O Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo 15 (IPCA-15), a prévia da inflação oficial, ficou em 0,6% em abril, 0,33 ponto percentual abaixo do índice de março: 0,93%. A informação foi divulgada hoje (27), no Rio de Janeiro, pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

No ano, o IPCA-15 acumula alta de 2,82% e, em 12 meses, de 6,17%, acima dos 5,52% registrados nos 12 meses imediatamente anteriores. Em abril de 2020, a taxa foi de -0,01%.

Dos nove grupos de produtos e serviços pesquisados, sete apresentaram alta em abril. O maior impacto (0,36 ponto percentual) e a maior variação (1,76%) vieram dos transportes, que desacelerou em relação a março (3,79%). A segunda maior contribuição (0,08 ponto percentual) veio de alimentação e bebidas (0,36%) e, na sequência, vieram habitação (0,45%) e saúde e cuidados pessoais (0,44%), com impactos de 0,07 ponto percentual e 0,06 ponto percentual, respectivamente.

“A gasolina (5,49%) permanece como o produto com o principal impacto no índice (0,30 ponto percentual), ainda que com uma variação menor do que o mês anterior (11,18%). óleo diesel (2,54%) e o etanol (1,46%) tiveram altas, mas também inferiores às de março -10,66% e 16,38%, respectivamente”, informou o IBGE.

Ouça na Radioagência Nacional

Acompanhe essa e outras notícias na Radioagência Nacional


A alimentação no domicílio passou de queda de 0,03% em março para 0,19% em abril. O café da manhã ficou mais caro com a alta do pão francês (1,73%) e do leite longa vida (1,75%), cujos preços haviam recuado no mês anterior (-0,11% e -4,50%, respectivamente). As carnes continuam em alta (0,61%), embora com variação menor do que a de março (1,72%).

Reajuste causa impacto nos remédios

Segundo o IBGE, no grupo de saúde e cuidados pessoais, o reajuste, em 1º de abril, de até 10,08%, dependendo da classe terapêutica, acabou impactando o preço dos produtos farmacêuticos, que subiram 0,53%, após terem apresentado queda de 0,29% em março.

Todas as regiões pesquisadas apresentaram variação positiva em abril. O maior resultado foi observado em Brasília (0,98%), especialmente em função da alta no preço da gasolina (8,37%). A menor variação foi verificada na região metropolitana de Belém (0,39%), influenciada pela queda no preço do arroz (-5,25%).

Os preços do IPCA-15 foram coletados no período de 16 de março a 13 de abril de 2021 (referência) e comparados com aqueles vigentes de 12 de fevereiro a 15 de março de 2021 (base).

O IPCA-15 abrange as famílias com rendimentos de um a 40 salários mínimos, qualquer que seja a fonte, residentes em 11 áreas urbanas: regiões metropolitanas de Belém, Fortaleza, Recife, Salvador, Belo Horizonte, Rio de Janeiro, São Paulo, Curitiba, Porto Alegre, além do Distrito Federal e do município de Goiânia.

Veja o comentário do professor Ricardo Caldas, na TV Brasil: