Mercado fechado
  • BOVESPA

    117.380,49
    -948,50 (-0,80%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    44.683,55
    -126,66 (-0,28%)
     
  • PETROLEO CRU

    51,98
    -1,15 (-2,16%)
     
  • OURO

    1.855,50
    -10,40 (-0,56%)
     
  • BTC-USD

    31.845,63
    +51,30 (+0,16%)
     
  • CMC Crypto 200

    651,44
    +41,45 (+6,79%)
     
  • S&P500

    3.841,47
    -11,60 (-0,30%)
     
  • DOW JONES

    30.996,98
    -179,03 (-0,57%)
     
  • FTSE

    6.695,07
    -20,35 (-0,30%)
     
  • HANG SENG

    29.447,85
    -479,91 (-1,60%)
     
  • NIKKEI

    28.631,45
    -125,41 (-0,44%)
     
  • NASDAQ

    13.355,25
    -40,25 (-0,30%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,6542
    +0,1458 (+2,24%)
     

Prévia da inflação fecha o ano acima do centro da meta

DIEGO GARCIA
·2 minuto de leitura

RIO DE JANEIRO, RJ (FOLHAPRESS) - O Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo-15 (IPCA-15), chamado de prévia da inflação, subiu 1,06% em dezembro. Com esse resultado, o indicador fecha o ano com uma alta acumulada de 4,23%, acima do centro da meta de inflação para 2020, de 4%. Segundo o IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística), é a maior alta acumulada no ano observada desde 2016. Considerando apenas a variação mensal, foi a maior alta observada desde junho de 2018, quando o indicador subiu 1,11%. Como nos meses anteriores, o resultado foi influenciado pela alta no preço dos alimentos, com destaque para os alimentos para consumo no domicílio, que registraram aumento de 2,57%. Carnes (5,53%), arroz (4,96%) e frutas (3,62%) foram alguns dos alimentos que mais subiram de preço, assim como a batata-inglesa (17,96%) e o óleo de soja (7,00%). Por outro lado, as quedas mais significativas foram no preço do tomate (-4,68%), alho (-2,49%) e leite longa vida (-0,74%). A alimentação fora do domicílio desacelerou e passou de uma alta de 0,87% em novembro para 0,58% em dezembro, com destaque para o recuo no lanche (-0,11%). Por outro lado, o preço das refeições aumentou 0,86%. Considerando o acumulado no ano, o grupo alimentação e bebidas encerrou 2020 com alta de 14,36%, maior variação anual nos últimos 18 anos. Em 2002, havia registrado 18,11%. A alta no preço da energia elétrica (4,05%) foi outro fator relevante no IPCA-15, influenciada pela volta da bandeira vermelha patamar 2 na tarifa, que fez o grupo habitação crescer 1,5%. O grupo de transportes apresentou outro impacto importante, com aumento de 1,43%, impulsionado pela alta de 28,31% nas passagens aéreas. Todas as regiões pesquisadas pelo IBGE tiveram alta em dezembro. Brasília teve o menor resultado (0,65%), enquanto Porto Alegre registrou o maior (1,53%).