Mercado fechado
  • BOVESPA

    122.979,96
    +42,09 (+0,03%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    49.789,31
    +417,33 (+0,85%)
     
  • PETROLEO CRU

    65,10
    -0,39 (-0,60%)
     
  • OURO

    1.869,30
    +1,30 (+0,07%)
     
  • BTC-USD

    43.459,61
    -734,40 (-1,66%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.222,03
    -31,11 (-2,48%)
     
  • S&P500

    4.127,83
    -35,46 (-0,85%)
     
  • DOW JONES

    34.060,66
    -267,13 (-0,78%)
     
  • FTSE

    7.034,24
    +1,39 (+0,02%)
     
  • HANG SENG

    28.593,81
    +399,72 (+1,42%)
     
  • NIKKEI

    28.406,84
    0,00 (0,00%)
     
  • NASDAQ

    13.166,50
    -45,50 (-0,34%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,4308
    +0,0007 (+0,01%)
     

PPSA pode voltar a ofertar óleo da União neste ano após licitação 'deserta'

Marta Nogueira e Roberto Samora
·2 minuto de leitura
Produção de petróleo no campo de Tupi, litoral do Rio de Janeiro

Por Marta Nogueira e Roberto Samora

RIO DE JANEIRO/SÃO PAULO (Reuters) - A estatal Pré-Sal Petróleo (PPSA) poderá voltar a ofertar óleo da União ao mercado ainda neste ano, por meio de processo competitivo, disse à Reuters um diretor da companhia, após uma licitação para contratar um agente comercializador ter falhado em atrair investidores nesta quarta-feira.

A companhia, responsável por representar a União nos contratos de partilha de produção no pré-sal, tem como uma das missões vender a parcela de petróleo que pertence à nação. A estatal pode comercializar diretamente, preferencialmente por leilão, ou por meio da contratação de um agente comercializador.

A concorrência internacional realizada virtualmente nesta quarta-feira buscava a contratação de um agente para comercializar volumes de petróleo da União produzidos no campo de Tupi (ex-Lula), no pré-sal da Bacia de Santos, um dos mais produtores do mundo em águas ultraprofundas.

O contrato seria de cinco anos, período em que deveriam ser comercializados 4 milhões de barris de petróleo a um valor estimado de 218 milhões de dólares.

"Essa licitação foi pioneira... Nós sabíamos que o pioneirismo poderia levar a pouco interesse", disse à Reuters o diretor de Administração, Finanças e Comercialização da PPSA, Samir Passos Awad.

De 10 empresas convidadas para participar, Equinor, Petrobras e Total foram habilitadas, mas não apresentaram propostas e a concorrência foi declarada "deserta".

"A gente planeja voltar ao mercado com outra modalidade ainda neste ano, um leilão na B3 é uma das alternativas."

No passado, a PPSA chegou a vender volumes de petróleo em leilão na bolsa paulista B3. Outras alternativas, como venda direta, podem ser consideradas, mas sempre por meio de competição, disse o diretor.

Além de Tupi, a PPSA poderá ter petróleo de outros campos para comercializar, como de Mero e Sapinhoá, disse o diretor.

Em um primeiro momento, a PPSA não deverá retomar a ideia de realizar uma licitação para contratar um agente comercializador, explicou Awad, pontuando que "o mercado não recebeu bem esse modelo".

Segundo o executivo, ainda é cedo para dizer o que pode ter dado errado na licitação realizada nesta quarta-feira, mas que o resultado será analisado para que possam ser empenhados ajustes futuramente.