Mercado fechado
  • BOVESPA

    117.380,49
    -948,50 (-0,80%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    44.683,55
    -126,66 (-0,28%)
     
  • PETROLEO CRU

    51,98
    -1,15 (-2,16%)
     
  • OURO

    1.855,50
    -10,40 (-0,56%)
     
  • BTC-USD

    32.719,95
    +925,62 (+2,91%)
     
  • CMC Crypto 200

    651,44
    +41,45 (+6,79%)
     
  • S&P500

    3.841,47
    -11,60 (-0,30%)
     
  • DOW JONES

    30.996,98
    -179,03 (-0,57%)
     
  • FTSE

    6.695,07
    -20,35 (-0,30%)
     
  • HANG SENG

    29.447,85
    -479,91 (-1,60%)
     
  • NIKKEI

    28.631,45
    -125,41 (-0,44%)
     
  • NASDAQ

    13.355,25
    -40,25 (-0,30%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,6542
    +0,1458 (+2,24%)
     

PPSA inicia consulta para contratar agente comercializador do petróleo de Tupi

·2 minuto de leitura

SÃO PAULO (Reuters) - A Pré-Sal Petróleo (PPSA) informou nesta sexta-feira o início de consulta pública, por 30 dias, sobre o pré-edital de licitação internacional para a contratação de um agente comercializador para a produção de petróleo da União na área individualizada de Tupi.

Situado na Bacia de Santos, Tupi é o principal campo produtor de petróleo e de gás natural dos reservatórios do pré-sal, sendo operado pela Petrobras (65%), com os sócios Shell (25%) e Petrogal (10%).

Segundo nota da PPSA, como a produção avançou para área não contratada foi efetivado em 2019 um acordo de individualização da produção (AIP), que concedeu à União uma participação de 0,551% na jazida compartilhada.

Tupi foi descoberto antes da instalação do regime de partilha de produção para campos do pré-sal, que garante que uma parcela do petróleo seja destinada à União.

Pelas estimativas iniciais, tal participação da União será equivalente a cerca de 3,5 milhões de barris de óleo em cinco anos, a um valor estimado de 140,5 milhões de dólares, conforme a PPSA.

"Trata-se de uma licitação pioneira no Brasil, para a qual a PPSA desenvolveu um novo modelo de negócio com objetivo de contratar um agente comercializador, alternativa prevista em lei", disse a estatal em nota.

Por este contrato, o agente comercializador de Tupi será responsável, por um período de cinco anos, por todo o processo de comercialização, incluindo a identificação do comprador, o carregamento no FPSO (unidade flutuante de produção, armazenamento e transferência), o transporte até o ponto de transbordo ou entrega por cabotagem, o eventual transporte de longo curso e a contratação de seguros, inspeção independente e operação de proteção de preço de petróleo (hedge).

A licitação prevê a participação individual ou em consórcio, que pode ser composto por empresas estrangeiras, porém liderado por uma companhia nacional produtora e exportadora de petróleo e já atuante no pré-sal.

O consórcio está limitado a três participantes. Os demais integrantes podem ser uma empresa de trading do mesmo grupo econômico da empresa líder e uma empresa de logística.

A produção do campo de Tupi é realizada por meio de sete FPSOs. Até o momento, a parcela da União é de aproximadamente 2,8 mil barris de óleo por dia. Pelo contrato, o agente deverá programar carregamentos mínimos de 500 mil barris em cada um dos sete FPSOs, disse a estatal.

A estimativa inicial é de que as primeiras cargas sejam formadas em 2023 e a última em 2026.

Após o término da consulta pública, a PPSA analisará as manifestações recebidas e publicará o edital definitivo.

(Por Roberto Samora)