Mercado abrirá em 6 h 47 min

Powell tem esperança de que inflação possa ser contida sem dor da era Volcker

Por Howard Schneider e Ann Saphir

WASHINGTON (Reuters) - O Federal Reserve está "fortemente comprometido" com o combate à inflação, mas ainda há esperança de que isso possa ser feito sem os "custos sociais muito altos" envolvidos em campanhas anteriores para controlar a alta dos preços, disse o chair do Fed, Jerome Powell, nesta quinta feira.

Powell, em entrevista de webcast de 40 minutos com o presidente do Cato Institute, Peter Goettler, não foi questionado sobre a reunião de política monetária do banco central dos EUA ao fim deste mês, para quando se espera alta de 0,50 ponto percentual ou de 0,75 ponto nos juros.

O chefe do Fed não ofereceu nenhuma informação sobre sua preferência. Investidores do mercado de juros veem mais chances de aumento de 75 pontos-base.

Powell reafirmou o que agora se tornou a mensagem do momento do Fed: os formuladores de política monetária não recuarão nos aumentos planejados das taxas.

"Precisamos agir agora, de forma direta e forte, como temos feito, e precisamos continuar até que o trabalho seja feito", disse Powell. "O Fed tem e aceita a responsabilidade pela estabilidade de preços."

"Meus colegas e eu estamos fortemente comprometidos com este projeto e vamos mantê-lo até que o trabalho seja feito."

O Fed realizará sua próxima reunião de política monetária nos dias 20 e 21 de setembro, quando divulgará projeções econômicas atualizadas e quase certamente anunciará o quinto aumento consecutivo na meta da taxa básica de juros.

A divulgação de dados mensais de inflação ao consumidor nos EUA na próxima semana será o último indicador importante a ser avaliado pelas autoridades antes da tomada de decisão.

As informações desde a reunião do Fed de 26 e 27 de julho deram uma pequena sensação de que o ritmo da inflação, que está em máximas de 40 anos, pode estar desacelerando, mas não o suficiente para que os membros do Fomc se sintam confiantes de que atingiu o pico. Enquanto isso, o mercado de trabalho continua forte.

Além das expectativas baseadas em preços de mercado, mais economistas também estão antecipando um aumento de 75 pontos-base neste mês.

"Os EUA estão em uma posição luxuosa de um mercado de trabalho forte e contínuo... há uma chance muito boa de que o Fed possa reduzir a inflação sem causar uma recessão significativa", disse Oliver Pursche, vice-presidente sênior da Wealthspire Advisors em Nova York. "A economia e o mercado de trabalho podem absorver um aumento de 75 pontos-base."

A SOMBRA DE VOLCKER

A questão que o Fed enfrenta agora é quão alto e quão rapidamente ele precisará aumentar os custos dos empréstimos para controlar o pior surto de inflação desde os anos 1980, e se o aperto monetário pode ser feito sem desencadear uma recessão e um aumento acentuado do desemprego --o chamado "pouso suave".

Novas pesquisas sugerem, no entanto, que o cenário esperançoso está fora de alcance, com uma taxa de desemprego que pode ter de dobrar da atual taxa de 3,7% para que se tenha uma inflação mais baixa.

As projeções atualizadas do Fed que devem ser divulgadas no fim da reunião de política monetária deste mês mostrarão se as autoridades agora também veem um risco de aumento do desemprego.

Powell disse que continua a ter esperança de que isso possa ser evitado.

Referindo-se à luta do ex-chair do Fed Paul Volcker contra a inflação no início dos anos 1980 --quando a política monetária do Fed desencadeou uma recessão e a taxa de desemprego chegou a 10%--, Powell observou que Volcker estava tentando erradicar anos de expectativas de inflação crescentes que estavam alimentando preços e salários mais altos.

Volcker, que é amplamente visto como tendo o crédito de ter vencido essa batalha, "seguiu várias tentativas fracassadas" de chefes anteriores do Fed para reduzir a inflação, disse Powell.

Powell disse que, como as expectativas de inflação desta vez permanecem amplamente ancoradas em torno da meta de 2% do banco central, o resultado pode ser melhor.

"Achamos que podemos evitar o tipo de custos sociais muito altos que Paul Volcker e o Fed tiveram que colocar em jogo" na década de 1980, disse Powell.

Mas ele acrescentou, como seus colegas fizeram em comentários recentes, que, mesmo que o desemprego comece a aumentar mais do que o esperado, o foco do Fed permanecerá no controle de preços.

"A história adverte contra o afrouxamento prematuro da política (monetária)", disse.

(Reportagem adicional de Ann Saphir, Lindsay Dunsmuir e Stephen Culp)