Mercado fechado
  • BOVESPA

    107.105,23
    +2.035,54 (+1,94%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.594,10
    -3,19 (-0,01%)
     
  • PETROLEO CRU

    69,91
    +3,65 (+5,51%)
     
  • OURO

    1.779,40
    -4,50 (-0,25%)
     
  • BTC-USD

    49.025,00
    +415,79 (+0,86%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.270,58
    +10,42 (+0,83%)
     
  • S&P500

    4.591,67
    +53,24 (+1,17%)
     
  • DOW JONES

    35.227,03
    +646,95 (+1,87%)
     
  • FTSE

    7.232,28
    +109,96 (+1,54%)
     
  • HANG SENG

    23.349,38
    -417,31 (-1,76%)
     
  • NIKKEI

    27.927,37
    -102,20 (-0,36%)
     
  • NASDAQ

    15.835,75
    +118,00 (+0,75%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,4209
    +0,0256 (+0,40%)
     

Powell diz ser hora de reduzir estímulos, mas não de subir juros

·2 min de leitura
O chair do Federal Reserve, Jerome Powell

Por Lindsay Dunsmuir e Ann Saphir

(Reuters) - O chair do Federal Reserve, Jerome Powell, disse nesta sexta-feira que o banco central dos Estados Unidos deve começar a reduzir suas compras de ativos em breve, mas que ainda não deve aumentar as taxas de juros porque o emprego ainda está muito baixo e a elevada inflação provavelmente arrefecerá no próximo ano, conforme as pressões da pandemia de Covid-19 diminuem.

"Acho que é hora de diminuir (estímulos); não acho que é hora de aumentar as taxas (de juros)", disse Powell em fala antes de uma conferência. "Achamos que podemos ser pacientes e permitir que o mercado de trabalho se recupere."

Essa perspectiva, enfatizou Powell, é apenas o caso mais provável, acrescentando que se a inflação --já mais alta e durando mais do que o esperado anteriormente-- subir persistentemente, o Fed agirá.

"Nossa política (monetária) está bem posicionada para gerenciar uma série de resultados plausíveis", disse ele.

O Fed está prestes a começar a retirar parte de seu apoio da era da crise quando iniciar a redução de seus 120 bilhões de dólares em compras mensais de títulos do Tesouro e títulos lastreados em hipotecas, medida que sinalizou que poderia acontecer no mês que vem.

O banco central, no entanto, está enfrentando um delicado equilíbrio em seu mandato duplo de buscar o pleno emprego e preços estáveis.

Os preços ao consumidor têm subido mais do que o dobro da meta de 2% do Fed, mas o emprego ainda está bem abaixo do nível pré-pandemia.

E, observou Powell, "as restrições de oferta e a inflação elevada provavelmente durarão mais do que o esperado anteriormente e até o próximo ano, e o mesmo se aplica à pressão sobre os salários".

O caso mais provável é que as pressões inflacionárias diminuam e o crescimento do emprego retome seu ritmo do verão passado (nos EUA), disse ele, mas "se víssemos um risco de inflação subindo persistentemente, certamente usaríamos nossas ferramentas".

Por enquanto, o Fed vai assistir e esperar, disse ele.

"Embora esteja próximo o momento de reduzirmos nossas compras de ativos, seria prematuro apertar a política monetária usando os juros agora, com o efeito e a intenção de desacelerar o crescimento do emprego, quando há boas razões para esperar que voltemos a um crescimento robusto do emprego e que as restrições de oferta diminuam; com ambos teríamos o efeito de aumentar o produto potencial da economia", disse.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos