Mercado fechado
  • BOVESPA

    108.941,68
    -160,32 (-0,15%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.599,38
    -909,02 (-1,73%)
     
  • PETROLEO CRU

    84,83
    -0,31 (-0,36%)
     
  • OURO

    1.836,10
    +4,30 (+0,23%)
     
  • BTC-USD

    35.243,80
    +19,04 (+0,05%)
     
  • CMC Crypto 200

    870,86
    +628,18 (+258,85%)
     
  • S&P500

    4.397,94
    -84,79 (-1,89%)
     
  • DOW JONES

    34.265,37
    -450,03 (-1,30%)
     
  • FTSE

    7.494,13
    -90,88 (-1,20%)
     
  • HANG SENG

    24.965,55
    +13,25 (+0,05%)
     
  • NIKKEI

    27.522,26
    -250,64 (-0,90%)
     
  • NASDAQ

    14.411,00
    -15,50 (-0,11%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1900
    +0,0599 (+0,98%)
     

Powell diz que variante ômicron aumenta riscos econômicos

·3 min de leitura

(Bloomberg) -- Ao comentar pela primeira vez sobre a variante ômicron do coronavírus, o presidente do Federal Reserve, Jerome Powell, disse que a cepa representa riscos para ambos os lados do mandato do banco central dos EUA de conseguir preços estáveis e pleno emprego.

Most Read from Bloomberg

“O recente aumento de casos de Covid-19 e o surgimento da variante ômicron representam riscos negativos para o emprego e a atividade econômica e aumentam a incerteza sobre a inflação”, disse Powell em depoimento divulgado na segunda-feira, um dia antes de sua audiência no Comitê Bancário do Senado. “Uma preocupação maior com o vírus poderia reduzir a disposição das pessoas de trabalhar presencialmente, o que desaceleraria o progresso no mercado de trabalho e intensificaria as disrupções na cadeia de suprimentos.”

Powell, em texto relativamente breve, não comentou medidas específicas de política monetária ou a possibilidade de mudanças no ritmo da redução das compras de ativos, uma questão importante que outras autoridades do Fed apontaram em comentários recentes.

Powell - que há uma semana recebeu um segundo mandato do presidente dos EUA, Joe Biden - comparece ao Congresso nesta terça-feira acompanhado da secretária do Tesouro, Janet Yellen, no primeiro de dois dias de audiências sobre o programa de estímulo da pandemia. O Comitê de Serviços Financeiros da Câmara realiza outra audiência na quarta-feira.

Em comentários preparados para o painel, Yellen disse que, embora esteja acompanhando as notícias sobre a variante ômicron, “neste ponto, estou confiante de que nossa recuperação continua forte”.

Yellen também pediu ao Senado que aprove o projeto de lei de gastos sociais de Biden, o chamado “Build Back Better”, e alertou parlamentares de que precisam aumentar em breve o limite da dívida do país. Ela já havia indicado que o Tesouro corre o risco de ficar sem caixa depois de 15 de dezembro.

A descoberta da variante ômicron gerou novas incertezas sobre a economia. Governos aumentaram as restrições às viagens, e a Organização Mundial da Saúde alertou que a cepa pode levar a um novo surto de casos de Covid-19.

Apesar do forte crescimento do emprego neste ano, “ainda há um caminho a percorrer para alcançar o pleno emprego”, como também em termos de participação na força de trabalho, disse Powell, e “esperamos que o progresso continue”. Ele acrescentou que o desemprego continua a cair “desproporcionalmente” entre negros e hispânicos

Mesmo em meio aos desafios impostos pela pandemia, a economia dos EUA avança. Economistas do JPMorgan Chase elevaram a estimativa de crescimento anualizado de 5% para 7% para os últimos três meses do ano. A expansão alimentou a inflação, e os preços ao consumidor subiram no ritmo mais rápido em 30 anos em outubro.

“A maioria dos analistas, incluindo o Fed, ainda espera que a inflação caia significativamente ao longo do ano que vem, à medida que os desequilíbrios de oferta e demanda diminuam”, disse Powell. “É difícil prever a persistência e os efeitos das restrições de oferta, mas agora parece que os fatores que empurram a inflação para cima permanecerão no próximo ano.”

Nas últimas semanas, autoridades do Fed discutiram a possibilidade de acelerar o ritmo de redução das compras mensais de ativos do banco central, o que lhes daria a opção de antecipar o aumento das taxas de juros em 2022, caso necessário, para manter as pressões inflacionárias sobre controle.

Most Read from Bloomberg Businessweek

©2021 Bloomberg L.P.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos