Mercado fechará em 4 h 21 min
  • BOVESPA

    122.140,27
    +259,45 (+0,21%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    49.297,51
    +78,25 (+0,16%)
     
  • PETROLEO CRU

    65,98
    +0,61 (+0,93%)
     
  • OURO

    1.866,30
    +28,20 (+1,53%)
     
  • BTC-USD

    43.634,05
    -4.515,60 (-9,38%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.204,34
    +6,42 (+0,54%)
     
  • S&P500

    4.152,04
    -21,81 (-0,52%)
     
  • DOW JONES

    34.219,33
    -162,80 (-0,47%)
     
  • FTSE

    7.040,52
    -3,09 (-0,04%)
     
  • HANG SENG

    28.194,09
    +166,52 (+0,59%)
     
  • NIKKEI

    27.824,83
    -259,67 (-0,92%)
     
  • NASDAQ

    13.264,25
    -122,75 (-0,92%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3932
    -0,0108 (-0,17%)
     

Powell diz que recuperação econômica dos EUA é afetada por disparidades raciais e educacionais

Howard Schneider e Ann Saphir
·2 minuto de leitura
Presidente do banco central dos EUA, Jerome Powell, participa de audiência em comissão do Senado norte-americano

Por Howard Schneider e Ann Saphir

WASHINGTON (Reuters) - A economia dos Estados Unidos está melhor, mas "ainda não fora de perigo", disse nesta segunda-feira o chair do Federal Reserve, Jerome Powell, em comentários que deram uma amostra de um estudo do banco central que documenta o golpe desproporcional sofrido por pais e trabalhadores com menor escolaridade durante a crise causada pelo coronavírus.

"A economia está reabrindo, o que traz atividade econômica mais forte e criação de empregos", disse Powell em comentários preparados para uma conferência da National Community Reinvestment Coalition.

"Essa é a perspectiva de alto nível --vamos chamá-la de visão de 30.000 pés-- e desse ponto de vista vemos melhorias", disse Powell, ressaltando, porém, ser preciso olhar o que está acontecendo com os cidadãos comuns.

Sobre isso, disse Powell, a Pesquisa Anual de Tomada de Decisões Econômicas Domésticas (Shed, na sigla em inglês) do Fed, a ser divulgada ainda neste mês, trouxe algumas estimativas mais firmes em torno dos impactos díspares da pandemia, uma questão que ele e outros formuladores de política monetária têm focado e se comprometido a incorporar nas análises acerca de como a recuperação econômica está ocorrendo e quando poderá ser concluída.

O relatório concluiu que 22% dos pais "ou não estavam trabalhando ou trabalhavam menos por causa de interrupções em creches ou na educação presencial", com números ainda mais altos para mães negras e hispânicas --36% e 30%, respectivamente.

Cerca de 20% das pessoas com idades entre 25 e 54 anos --a principal faixa etária da força de trabalho dos EUA-- sem um diploma universitário de quatro anos foram demitidas em 2020, contra 12% para aqueles com pelo menos um diploma de bacharel.

Cerca de 14% dos brancos em seus primeiros anos de trabalho foram demitidos em algum momento do ano passado, em comparação com 20% ou mais para negros e hispânicos nesse grupo, disse Powell.

O relatório Shed é uma referência anual importante da saúde econômica familiar e será observado de perto quando for divulgado neste mês, com analistas em busca de sinais de possíveis danos de longo prazo da pandemia.

As condições estão mudando rapidamente --mais de 900 mil empregos foram criados em março, e uma pesquisa da Reuters com economistas prevê perto de 1 milhão em abril. Mas o Fed está observando de perto para ver se as lacunas estão começando a se fechar nos grupos demográficos dos EUA e em setores como lazer e hospedagem, que viram as maiores perdas de empregos no início da pandemia.

"Vemos o pleno emprego como uma meta ampla e inclusiva", disse Powell, repetindo a nova prioridade que o banco central tem dado ao incentivo ao crescimento do emprego ao custo de uma inflação mais alta.