Mercado fechado
  • BOVESPA

    101.846,96
    +1.294,52 (+1,29%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    38.559,45
    -109,80 (-0,28%)
     
  • PETROLEO CRU

    40,61
    +0,58 (+1,45%)
     
  • OURO

    1.906,60
    -22,90 (-1,19%)
     
  • BTC-USD

    13.046,97
    +1.989,96 (+18,00%)
     
  • CMC Crypto 200

    263,30
    +7,20 (+2,81%)
     
  • S&P500

    3.451,87
    +16,31 (+0,47%)
     
  • DOW JONES

    28.362,39
    +151,57 (+0,54%)
     
  • FTSE

    5.785,65
    +9,15 (+0,16%)
     
  • HANG SENG

    24.786,13
    +31,71 (+0,13%)
     
  • NIKKEI

    23.474,27
    -92,73 (-0,39%)
     
  • NASDAQ

    11.654,00
    -37,25 (-0,32%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,6161
    -0,0339 (-0,51%)
     

Powell diz que economia dos EUA tem caminho "altamente incerto" apesar de ganhos "acentuados"

Por Dan Burns e Howard Schneider
·4 minutos de leitura
.
.

Por Dan Burns e Howard Schneider

(Reuters) - A economia dos Estados Unidos mostrou "melhora acentuada" desde que a pandemia de coronavírus levou o país a uma recessão a partir de março, mas o caminho à frente permanece incerto e o banco central norte-americano está pronto para fazer mais se necessário, disse Jerome Powell, chair do Federal Reserve, a um painel do Congresso nesta terça-feira.

Destacando a recuperação nos empregos e gastos das famílias desde a crise econômica, Powell disse que os EUA ainda permanecem longe de onde estavam e que "o caminho à frente continua sendo altamente incerto".

"(...) É provável que uma recuperação total ocorra apenas quando as pessoas ficarem confiantes de que é seguro voltar a se engajar em uma ampla gama de atividades" com o coronavírus sob controle, acrescentou.

Até lá, as autoridades do Fed "continuam comprometidas em usar nossas ferramentas para fazer o que pudermos, pelo tempo que for necessário, para garantir que a recuperação seja a mais forte possível, e em limitar os danos duradouros à economia", disse Powell em comentários preparados para o Comitê de Serviços Financeiros da Câmara dos Deputados norte-americana.

A audiência, que vai incluir o depoimento do secretário do Tesouro dos EUA, Steven Mnuchin, é a primeira de três nesta semana em que o chair do Fed enfrentará perguntas sobre a resposta do banco central à pandemia e sua implementação da lei Cares, um pacote de 2,3 trilhões de dólares em combate aos efeitos da pandemia.

Mnuchin, em comentários preparados para o comitê, disse sentir que a economia "verá um tremendo crescimento no terceiro trimestre, alimentado por fortes vendas no varejo, construção de casas e vendas de casas usadas, crescimento da manufatura e aumento da atividade comercial". Ainda assim, um outro "pacote direcionado" de alívio fiscal era necessário, afirmou o secretário do Tesouro.

O Congresso aprovou o auxílio de 2,3 trilhões de dólares no final de março como a base da resposta econômica do governo federal dos Estados Unidos à pandemia. O texto autorizou o Tesouro a financiar uma série de programas de empréstimo e crédito do Fed.

É provável que Powell receba críticas de parlamentares do comitê (controlado pelos democratas) preocupados com o uso limitado de programas destinados a ajudar pequenas empresas, mesmo com outras ações do Fed desencadeando uma recuperação no mercado de ações que ajudou investidores a recuperar perdas anteriores.

Enquanto isso, o desemprego continua elevado e cerca de 29 milhões de norte-americanos estão recebendo algum tipo de seguro-desemprego semana após semana.

O estado da economia e o rumo da pandemia são questões centrais nas eleições presidenciais de 3 de novembro.

MAIS ESTÍMULOS FEDERAIS

A pandemia desferiu um golpe mortal na mais longa expansão econômica da história dos EUA, com o fechamento generalizado de empresas e ordens de isolamento social desencadeando a maior queda na atividade desde pelo menos a Segunda Guerra Mundial.

O Fed respondeu cortando as taxas de juros para quase zero, aumentando compras de títulos e lançando quase uma dúzia de linhas de crédito de emergência, várias delas com o apoio do Tesouro.

Ao todo, disse Powell, o Fed "ajudou a desbloquear" 1 trilhão de dólares em financiamento para impedir o fechamento de empresas, de modo que elas possam recontratar trabalhadores com mais facilidade quando a economia se recuperar. Mas o dinheiro emprestado às empresas tem ficado bem longe desse valor.

O programa Main Street do Fed, de 600 bilhões de dólares, até agora financiou ou está em processo de financiar 2 bilhões de dólares para empresas que não podem obter crédito de outra forma, disse Powell. Críticos dizem que o Fed e o Tesouro deveriam facilitar a tomada de empréstimos.

O Congresso está em um impasse nas negociações sobre apoio adicional para norte-americanos desempregados, depois que um complemento federal de 600 dólares semanais para auxílio-desemprego expirou durante o verão nos EUA.

Powell afirmou que estímulos federais adicionais provavelmente serão necessários, embora o principal conselheiro econômico da Casa Branca, Larry Kudlow, tenha dito que a recuperação é "autossustentável" sem eles.

A audiência desta terça-feira está sendo presidida pela deputada democrata Maxine Waters, da Califórnia.

Powell comparecerá na quarta-feira a uma audiência do Subcomitê da Câmara para a Crise do Coronavírus, presidido pelo deputado democrata James Clyburn, da Carolina do Sul. E, na quinta, o chair do Fed falará diante do Comitê Bancário do Senado, presidido pelo senador republicano Mike Crapo, de Idaho.

Mnuchin também dará testemunho no Senado na quinta-feira.

(Reportagem de Dan Burns em Connecticut; Ann Saphir em Berkeley, Califórnia; e Andrea Shalal e Howard Schneider em Washington)