Mercado fechará em 5 h 45 min
  • BOVESPA

    108.057,24
    +1.585,32 (+1,49%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    47.194,35
    +470,92 (+1,01%)
     
  • PETROLEO CRU

    89,34
    +0,33 (+0,37%)
     
  • OURO

    1.800,60
    +9,40 (+0,52%)
     
  • BTC-USD

    24.121,21
    +967,38 (+4,18%)
     
  • CMC Crypto 200

    563,46
    +20,58 (+3,79%)
     
  • S&P500

    4.178,40
    +33,21 (+0,80%)
     
  • DOW JONES

    33.064,63
    +261,16 (+0,80%)
     
  • FTSE

    7.505,54
    +65,80 (+0,88%)
     
  • HANG SENG

    20.045,77
    -156,17 (-0,77%)
     
  • NIKKEI

    28.249,24
    +73,37 (+0,26%)
     
  • NASDAQ

    13.397,25
    +168,50 (+1,27%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,2229
    -0,0437 (-0,83%)
     

Powell deve manter esforços para informar mercado sobre destino dos juros nos EUA

Chair do Federal Reserve, Jerome Powell responde repórteres durante coletiva de imprensa em Washington, EUA

WASHINGTON (Reuters) - Desde que iniciou seu atual ciclo de aumentos de juros este ano, o Federal Reserve tenta informar os investidores com antecedência para onde vão os juros nos Estados Unidos e a magnitude de cada elevação.

E apesar de alguns obstáculos, incluindo o que analistas dizem ter sido uma mudança de planos de última hora, mas bem-sucedida, antes da reunião de junho, o chair do Fed, Jerome Powell, não deve abandonar esses esforços.

O Fed e outros bancos centrais há muito usam essa sinalização - conhecida como orientação futura em seu vocabulário - para definir expectativas sobre a trajetória da política monetária para ajudar a criar as condições financeiras favoráveis a sua meta. Ao sair da crise financeira entre 2007 e 2009, por exemplo, o Fed estabeleceu uma orientação de longo prazo que garantiu que os juros não subissem por anos.

Mas a inflação mais alta em uma geração forçou mudanças nisso - em particular, encurtando o horizonte sobre o qual eles podem se comprometer com certas ações.

"É um cenário muito difícil tentar dar orientações com 60, 90 dias de antecedência", disse Powell em entrevista coletiva após a reunião de maio. "Há tantas coisas que podem acontecer na economia e em todo o mundo. Então, estamos deixando espaço para analisar os dados e tomar uma decisão quando chegarmos lá."

De fato, outros bancos centrais estão enfrentando desafios semelhantes e estão respondendo de novas maneiras. O Banco Central Europeu elevou osjuros na semana passada mais do que havia prometido em sua reunião anterior e não forneceu orientação para o tamanho do aumento do próximo mês.

O Banco do Canadá optou por um aumento inesperado no custo de empréstimo de um ponto percentual no início deste mês, sem dizer uma palavra antecipadamente.

Mas, conforme o chefe do banco central mais importante do mundo enfrenta agora a maior série de aperto monetário em décadas, Powell tem interesse especial em garantir que os mercados não subestimem ou superestimem o que está por vir, dizem analistas.

Nesta terça-feira, membros do banco central dos EUA iniciam uma reunião de dois dias na qual devem ratificar um aumento de 0,75 ponto percentual, o maior de dois aumentos possíveis que Powell indicou semanas atrás que estavam sendo considerados.

E apesar da incerteza sobre quais serão os dados sobre inflação e emprego nos próximos dois meses, analistas esperam que Powell também apresente alguns parâmetros em torno da decisão de aumento de juros em setembro.

(Reportagem de Ann Saphir)

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos